29 de agosto de 2011

2011/12 - 03J - Gil Vicente 2 - Académica 0: Resumo

2011/12 - 03J - Gil Vicente 2 - Académica 0: 1ª derrota no campeonato.


Espectadores: 3 291
Árbitro: Olegário Benquerença (3)
Melhor do Gil Vicente: Richard
Melhor da Académica: Diogo Valente

Crónica
AAC-OAF: A Académica perdeu na noite deste sábado com o Gil Vicente por 2-0 em jogo que foi disputado no Estádio Cidade de Barcelos e que contou para a 3ª jornada da Liga ZON Sagres. A Briosa não conseguiu atingir a liderança isolada do campeonato mas a verdade é que demonstrou a atitude e a garra suficientes para sair de Barcelos com outro resultado.

Os "estudantes" entraram bem melhor na partida e dispuseram de excelentes ocasiões para inaugurar o marcador mas a pontaria dos avançados da Académica não foi a melhor. Numa dessas oportunidades, Diogo Valente atirou por cima após um cruzamento venenoso do lado direito do ataque da Briosa, naquela que foi talvez a melhor chance para os comandados de Pedro Emanuel.

Na primeira metade pouco mais houve a registar até porque o Gil Vicente nunca chegou a criar verdadeiro perigo para a baliza de Peiser que se mostrou muito atento entre dos postes.

A toada de jogo manteve-se na etapa complementar e foi quando nada o fazia prever que os homens da casa chegaram ao golo. Hugo Vieira deixou-se cair e Olegário Benquerença assinalou o livre que daria o golo aos homens de Barcelos, com André Cunha a saltar mais alto que toda a gente e a marcar o primeiro do jogo.

A perder, a Académica apostou tudo no ataque mas a verdade é que jogou sempre mais com o coração do que com a cabeça. Já no final, uma mão na bola de Adrien dentro da área permitiu a Cláudio elevar a contagem para 2-0 a favor dos homens da casa.

Os "estudantes" perdem pela primeira vez no campeonato mas na próxima jornada, frente ao Nacional, o objectivo é voltar à senda dos triunfos!

MF: A Académica veio de Coimbra, mas a hora da despedida era para Hugo Vieira, que está de saída para os gregos do Panathinaikos (preteriu os Sportings de Gijón e de Braga para rumar a Atenas). O jovem avançado barcelense bem tentou impressionar naquela que pode ter sido a sua derradeira exibição pelo clube da terra: correu, fintou, passou e até tentou visar a baliza do sempre atento Peiser¿

Certo é que a noite de glória não foi dele mas sim do seu conterrâneo André Cunha (e de um tal de Richard, que entra no jogo e na crónica mais lá para a frente¿), que a vinte minutos do final e com o Gil Vicente já claramente a justificar a vantagem, subiu à área adversária para de cabeça desviar um livre bem apontado por Richard. 1-0, o suficiente para a Académica perder o jogo e o «élan» de líder, que trazia das duas primeiras jornadas e com que entrou em campo. O penalty convertido por Cláudio, nos minutos finais, só sublinhou o que já se tinha tornado inevitável.

Briosa com um início Valente

A formação de Pedro Emanuel entrou forte na partida, com Habib a segurar as pontas no meio-campo e Diogo Valente a fazer estragos sobre a flanco esquerda. O extremo que já actuou no FC porto esteve incansável na primeira meia-hora: rematou um par de vezes, com a bola a passar por cima da barra (invariavelmente) e cruzou muitas mais. O jogo apoiado da Briosa destacava-se sobretudo por isto: Diogo Valente impulsionava o ataque da formação de Coimbra, Habib juntava as peças no meio-campo, quer a destruir, quer a lançar o ataque. Certo é que da meia-hora em diante a pressão e domínio dos estudantes foi esmorecendo e depois do intervalo virou de vez.

Como nota à margem do jogo, ressalve-se ao intervalo o «fair-play» das duas claques, que ao invés de trocarem insultos (como tantas vezes acontece¿), trocaram cachecóis e cumprimentos.

Gil a cantar de galo no final

Facto é que no segundo tempo tudo foi diferente, sobretudo desde a entrada de Richard. O médio brasileiro substituiu Pedro Moreira aos 58¿ e três minutos depois teve nos pés aquela que era, até aí, a melhor oportunidade da partida, quando apareceu solto à entrada da área para rematar em jeito, com a bola a passar junto ao poste de Peiser. O aviso estava dado e Richard voltaria a atacar ao minuto 70, na cobrança de um livre, colocando em jeito a bola à mercê do desvio vitorioso de André Cunha, que de cabeça colocou o Gil Vicente em vantagem.

Porém, se pensa que a saga de Richard acabou por aqui, desengane-se. O trunfo que Paulo Alves sacou do banco voltaria a fazer das suas ainda antes do final da partida: primeiro, num remate perigoso a rasar a baliza de Peiser, e, na sequência desse lance, a cruzar a bola contra a mão Adrien. Benquerença, seguindo a indicação do auxiliar, assinalou penalty, sendo discutível a intencionalidade do médio emprestado pelo Sporting no lance. Cláudio aproveitou para de grande penalidade ampliar a vantagem. Estava feito o 2-0, resultado que faz justiça ao que o Gil Vicente fez na segunda parte e à boa opção de Paulo Alves em fazer entrar Richard em campo muito a tempo de ele ter influência na partida.

Adeus Hugo Vieira, olá campeonato¿

Se Hugo Vieira deverá ter dito adeus à Liga Portuguesa, toda a restante equipa gilista disse-lhe olá. Convenhamos que o verdadeiro campeonato da equipa de Paulo Alves começou neste sábado, depois de ter defrontado Benfica e FC Porto nas duas primeiras jornadas. Nenhum recém-promovido merece tarefa inicial tão difícil, mas a formação barcelense saiu-se bem em termos exibicionais e até arrancou um ponto em casa na jornada inaugural. Ontem, a Académica era um adversário mais acessível e, perante um Gil Vicente que surpreende pelo bom futebol, perdeu (e bem) o jogo e o estatuto de líder.

O Jogo: Esfumou-se o sonho da Académica de alcançar a liderança isolada da Liga ZON Sagres, ainda que de forma provisória. Após dois triunfos seguidos - ainda bem distante das cinco vitórias seguidas logradas pela sensacional equipa estudantil de 1968/69 -, a Académica apresentou-se em Barcelos em bicos de pés, mandona e a manietar todos e quaisquer movimentos de um aturdido Gil Vicente. Pedro Emanuel apenas alterou uma peça na equipa, pela primeira vez no cortejo, - trocou Sissoko por Marinho - e manteve fé na estrutura sólida e bem oleada da equipa. Na realidade, tudo estava a decorrer de feição. A ala esquerda carburava, com Hélder Cabral e, sobretudo, Diogo Valente a carrilar futebol ofensivo, ainda que este último tenha pecado, em demasia, no capítulo da finalização. De resto, os actores decoraram os seus papéis e, salvo um ou outro lapso de pormenor, a equipa estava afinadinha, dando provas do porquê do braço dado com o FC Porto no cume da prova.

Da banda anfitriã, amputada do futebol perfumado de João Vilela, demorou a entrar jogo e a encaixar no estilo academista. As investidas avulsas de Hugo Vieira - a mostrar por que é namorado por uma mão cheia de emblemas - não tinham o condão de acordar a equipa, amorfa numa letargia que não lhe fora apanágio nas duas jornadas anteriores, curiosamente disputadas contra os tubarões FC Porto e Benfica. Nada parecia funcionar, nem mesmo o pós-período de descanso servia como antídoto para tratar a doença do sono gilista. Só mesmo uma solução do exterior para acordar um galo pusilânime. Richard sobe ao palco para revolucionar o figurino da contenda. Meia hora bastou para estar directamente nos dois golos e, para também ele, disparar pólvora seca, ainda que barulhenta.

Nesta ciência inexacta que é o futebol, tudo o que se passara anteriormente caiu, rapidamente, no esquecimento. A história muda a meio do percurso, inverte o seu rumo e agora é o Gil Vicente a surgir nos escaparates, sem, todavia, a Académica deixar de acreditar num desfecho positivo, que tanto fez por merecer. Pedro Emanuel mexe, quiçá, tarde e a más horas. Não havia, agora, fórmula de evitar uma final de noite de reversos: a primeira vitória gilista e a primeira derrota da academista.

Destaques
MF:

A figura: Richard
O médio paulista de 22 anos, emprestado pelo Santo André ao Gil Vicente desde a época passada, nem sequer tem estatuto de titular na equipa de Paulo Alves. Cabe-lhe o papel de arma secreta e ontem desempenhou-o na perfeição. O jovem brasileiro é um tecnicista nato (não é por acaso que aponta todos os lances de bola parada na equipa gilista) e ontem a classe com que coloca a bola fez a diferença. A partir do momento em que entrou em campo, aos 58 minutos, o futebol dos barcelenses mudou para melhor. Uma assistência para golo, um lance de grande penalidade e duas oportunidades flagrantes são mais que suficientes para aquilatarem a sua importância na partida. Ora aí está mais uma excelente surpresa na equipa de Barcelos.

A desilusão: Hugo Vieira
Não teve propriamente uma exibição descolorida, mas desde os primeiros momentos de jogo que Hugo Vieira tentou fazer de tudo para ficar na história de uma partida que muito provavelmente marcará a sua despedida da Liga Portuguesa. Muito esforço, muita capacidade de abnegação e poucos resultados práticos. Mais do que desilusão para os adeptos (que se despediram dele com aplausos), a exibição de ontem foi uma desilusão para o ainda avançado gilista, que ontem pretendia certamente despedir-se com um golo do seu clube.

Positivo: Académica com personalidade
A boa entrada em campo da Académica, num assomo de líder, foi o primeiro aspecto a relevar da partida, tal como a reacção gilista no segundo tempo. No ataque gilista, além do evidente destaque para a arma secreta Richard, Laionel voltou a estar em destaque, pela agilidade e habilidade com que se entregou a cada lance. Do lado contrário, Habib esteve imperial, durante boa parte da partida, no meio-campo academista. Nota positiva também para o comportamento das claques, que souberam dignificar a partida, com uma prova de ¿fair-play¿ ao intervalo.

Negativo: só faltou pontaria a Valente
Falta de eficácia e desatenção pagam-se caro. E bem pode queixar-se disso Diogo Valente, que teve uma acção positiva na partida, mas pecou apenas por não ter conseguido marcar nas várias oportunidades de golo que protagonizou. Melhor podia ter estado também o eixo da defesa da Académica. Os centrais deixaram André Cunha cabecear para o golo que decidiu a partida.

O momento: minuto 69
Livre de Richard, desvio de cabeça de André Cunha. Futebol simples e eficaz. Foi assim que o Gil Vicente decidiu uma partida que esteve encravada até ao minuto 70. Os gilistas descobriram de bola parada o caminho da baliza de Peiser, que esteve intransponível até ao momento da partida, onde não teve quaisquer hipóteses de evitar o golo que deu a primeira vitória na Liga aos comandados de Paulo Alves.

O Jogo:

João Dias 6 - Acompanhou bem as movimentações dos avançados e evitou o golo de André Cunha (33') e Luís Carlos (52').

Hélder Cabral 6 - Com Diogo Valente, dinamizou o flanco esquerdo. Dificuldades a defender na segunda parte.

Adrien Silva 5 - Firme a pautar o jogo a meio-campo. "Azar" no penálti.

Pape Sow 6 - Força motriz e bloqueadora na zona do meio campo .

Diogo Valente 6 - Manancial de soluções a alimentar o ataque. Produziu arranques e algumas assistências. Pecou na finalização.

Éder 5 - Confundiu, repetidamente, querer e poder. Faltou mais discernimento, mas deu muito trabalho a Sandro.

Opiniões
Paulo Alves:
«Vínhamos de dois bons jogos, perante adversários dificílimos, mas era preciso também ganhar. Conseguimos aliar as duas situações. Não entramos bem no jogo e a Académica tentou tomar as rédeas do jogo, mas aos poucos fomos equilibrando. A equipa soube acreditar que era possível ganhar, com inteira justiça. Estou muito orgulhoso, pela atitude e por uma mentalidade fortíssima. Paulatinamente, vamos fazer o nosso caminho. Os pontos são sempre importantíssimos, e temos de lutar sempre por eles. A posição na tabela ainda não é definitiva, mas temos crescido.»

Pedro Emanuel:

[sobre a primeira derrota, que retira a possibilidade de ser líder isolado] «Esse não é o nosso campeonato. Tivemos uma boa postura, querendo assumir o jogo. Procurámos mostrar a nossa forma de estar em campo, mas sofremos dois golos de bola parada. Faz parte do futebol. Parabéns ao Gil Vicente por ter aproveitado, mas dou também os parabéns à minha equipa, que nunca virou a cara à luta e tentou sempre seguir os nossos princípios. Não vale a pena dizer agora que é justo ou injusto. O Gil Vicente marcou dois golos, e é isso que fica para a história. É verdade que produzimos um bom futebol e criámos algumas oportunidades. Não fomos tão acutilantes na definição das jogadas. Pelo menos fico satisfeito por só termos três golos sofridos, e todos de bola parada. O nosso principal objectivo é assegurar a manutenção o mais rápido possível, e por isso lutamos pelos três pontos em todos os jogos. Tenho um grupo dedicado, que defende as nossas ideias. Saio perfeitamente tranquilo.»

Diogo Valente:

«Fomos mandões na primeira parte, e na segunda parte também controlámos. A única maneira do Gil marcar era de bola parada. Tentámos contrariar as coisas, e estamos de parabéns pela atitude. Vamos continuar a trabalhar. Esta equipa pode valer mais, e acreditamos num futuro risonho. Esta derrota não nos vai afectar. Se continuarmos com este futebol e com esta atitude, vamos voltar às vitórias.»

Minuto a minuto 


90' FINAL DO JOGO! Gil Vicente - 2 Académica - 0. Primeira vitória da temporada para o Gil Vicente, primeira derrota para a Académica, que assim desperdiça a possibilidade de se isolar na liderança, pelo menos até 6 de Setembro. Dois lances de bola parada sentenciaram um jogo em que a Académica entrou melhor, mas em que o Gil Vicente, aos poucos, foi ganhando espaço para explorar as saídas em contra-ataque. As decisões aconteceram na meia hora final, quando começaram a aparecer espaços.
90' SUBSTITUIÇÃO Gil Vicente . Sai Luís Carlos entra Paulão
90' Vão jogar-se mais cinco minutos, de compensação.
89' SUBSTITUIÇÃO Académica . Sai Habib entra Hugo Morais
88' GOOOOOOOLLLLLOOOOOOO!!! GIL VICENTE ! 2-0 por Cláudio (GP). O central gilista engana Peiser, com um remate de pé direito.
87' CARTÃO AMARELO para Adrien Silva (Académica )
87' PENALTY ASSINALADO contra Académica, por corte com o braço de Adrien Silva, por indicação do árbitro auxiliar.
86' EXCELENTE PEISER! O guarda-redes da Académica nega o 2-0 a Richard, após bom contra-ataque do Gil Vicente, pela esquerda.
85' SUBSTITUIÇÃO Gil Vicente . Sai Laionel entra Roberto
84' Fase de pressão intensa da Académica! Diogo Valente desperdiça ocasião soberana, após excelente trabalho de Éder na direita.
83' CARTÃO AMARELO para Éder (Académica )
81' Canto de Diogo Valente, cabeçada de Aboulaye, para fora. A Académica carrega em busca do empate.
79' CARTÃO AMARELO para Habib (Académica )
77' Boa defesa a soco de Adriano, evitando que um cruzamento tenso de Éder, na direita, chegasse até Rui Miguel.
76' O Gil Vicente quase chega ao segundo! Peiser evita o autogolo de João Dias, após canto na esquerda do ataque gilista.
74' Tudo OK com o guarda-redes do Gil. Recomeça o jogo.
73' Jogo interrompido para ser prestada assistência a Adriano, que ficou lesionado após uma defesa aparatosa.
72' SUBSTITUIÇÃO Académica . Sai Danilo entra Rui Miguel
69' GOOOOOOOLLLLLOOOOOOO!!! GIL VICENTE ! 1-0 por André Cunha. Livre na direita, apontado por Richard, e André Cunha a desviar de cabeça, ao primeiro poste, sem hipóteses para Peiser. O Gil chega à vantagem numa altura em que o jogo está mais aberto.
66' Danilo aparece na quina da área, sobre a esquerda, e remata forte, mas à figura de Adriano.
65' Bom contra-ataque do Gil Vicente, com Hugo Vieira a procurar a entrada de Luiz Carlos ao segundo poste. João Dias fecha bem no meio.
63' SUBSTITUIÇÃO Académica . Sai Marinho entra Sissoko
61' OPORTUNIDADE PARA O GIL VICENTE! Hugo Vieira trabalha bem na área e faz chegar a bola à meia-lua, onde aparece Richard, embalado, a rematar forte. A bola sai perto do poste esquerdo de Peiser!
58' CARTÃO AMARELO para Diogo Valente (Académica )
58' SUBSTITUIÇÃO Gil Vicente . Sai Pedro Moreira entra Richard
55' QUASE MARCA A ACADÉMICA! Canto na direita, marcado por Diogo Valente para a pequena área, Luís Manuel corta em apuros e quase desvia para a própria baliza. A bola sai rente ao poste para novo canto.
53' Peiser sai da área e ganha a dividida com Laionel, cortando a bola pela lateral.
51' O Gil Vicente ganha um canto, após corte defeituoso de Habib. Mas o Gil não consegue tirar partido do cruzamento.
50' JUNIOR CAIÇARA QUASE FAZIA AUTOGOLO!!! Diogo Valente cruza da esquerda, Éder falha o desvio mas a bola bate no defesa gilista e passa pouco ao lado. A jogada começa com uma queda aparatosa de Luis Carlos, ao disputar uma bola no ar com Valente.
46' RECOMEÇA A PARTIDA. Não há substituições.
45' INTERVALO NA PARTIDA ENTRE Gil Vicente e Académica (0-0). Um jogo que prometeu bastante, mas foi deixando de cumprir com o decorrer dos minutos. A Académica entrou melhor, com Diogo Valente em destaque, mas o Gil equilibrou as operações e acabou por dispôr de boas oportunidades, com Peiser a assinar, perante Luiz Carlos, a defesa mais apertada dos primeiros 45 minutos.
45' Diogo Valente, em esforço, ganha um canto na esquerda. Mas a defesa do Gil Vicente afasta sem problemas.
44' Jogo interrompido para ser prestada assistência a Éder (Gil Vicente).
43' Cruzamento de Hélder Cabral, na esquerda. Marinho tenta a conclusão de cabeça, mas a bola segue fraca para as mãos de Adriano.
41' Boa arrancada de Luiz Carlos, na direita, a ganhar a linha de fundo. O cruzamento atrasado era venenoso, mas Berger antecipou-se e afastou o perigo.
38' Claramente mais encaixadas, as duas equipas já não conseguem criar desequilíbrios com a mesma facilidade.
34' Boa oportunidade para o Gil! Bem lançado na meia direita, Hugo Vieira cruza para Laionel, mas o avançado deixa-se antecipar por João Dias. Mais uma vez atento na dobra aos centrais, o lateral-direito da Académica.
32' Diogo Valente cruza na esquerda, à procura da cabeça de Éder que, estorvado por Sandro, não chega à bola por pouco.
29' Depois de um início movimentado, uma fase de acalmia: o jogo decorre agora mais longe das áreas.
25' Bom lance de ataque do Gil Vicente, pela esquerda, interrompido por um fora-de-jogo duvidoso a Júnior Caiçara.
21' Domínio alternado. Agora é outra vez a Académica a estar por cima no jogo.
19' Outra vez Diogo Valente! Primeiro a cruzar largo, para o flanco direito, onde Marinho serve João Dias. Depois do cruzamento do lateral, outra vez Diogo Valente, solto, com espaço, a rematar por cima.
17' Danilo desperdiça! O médio entra pela esquerda, trabalha sobre Éder e ganha espaço para o remate, mas falha o contacto com a bola e o tiro sai muito torto. Sandro afasta o perigo.
15' MAIS UMA OPORTUNIDADE PARA O GIL! Cruzamento na esquerda e Luiz Carlos falha o cabeceamento por muito pouco. Berger cede novo canto.
15' Início bem animado, com o Gil Vicente a responder bem ao melhor arranque da Académica.
14' GRANDE DEFESA DE PEISER! Luiz Carlos, bem lançado na direita, remata forte à entrada da área. O guarda-redes voa para desviar, e João Dias antecipa-se a Laionel, evitando a recarga e cedendo canto.
11' Outra vez Diogo Valente, a tentar o remate, bem de fora da área. A bola sai por cima, e Adriano parecia ter o lance controlado.
10' Bom início da Académica, com Diogo Valente muito activo no flanco esquerdo.
6' GRANDE REMATE DE DIOGO VALENTE!! Remate de primeira, ao segundo poste, após cruzamento de João Dias na direita.
2' Cruzamento de João Dias, Éder aparece solto na área mas Adriano antecipa-se a soco.
1' Diogo Valente cruza com perigo da esquerda, mas André Cunha antecipa-se a Marinho.
1' COMEÇA A PARTIDA ENTRE Gil Vicente e Académica
0' As equipas entram em campo. A Académica vai jogar de branco, o Gil com o equipamento tradicional, todo vermelho.
0' As bancadas têm pouco público até ao momento: cerca de um milhar de espectadores... com destaque para a ruídosa claque da Académica, a Mancha Negra, que trouxe até Barcelos cerca de meia centena de elementos.
0' O árbitro é Olegário Benquerença, de Leiria, auxiliado por João Santos e Luís Marcelino.
0' ACADÉMICA: Peiser; João Dias, Berger, Abdoulaye e Hélder Cabral; Adrien, Habib e Danilo; Marinho, Éder e Diogo Valente.

Suplentes: Ricardo, Sissoko, Flávio, Hugo Morais, João Real, Rui Miguel e Diogo Melo
0' GIL VICENTE: Adriano; Éder, Sandro, Cláudio e Júnior Caiçara; Luís Manuel; Pedro Moreira e André Cunha; Luís Carlos, Hugo Vieira e Laionel.

Suplente: Jorge Baptista, Daniel, Tó Barbosa, Paulo Lima, Mauro, Roberto e Richard
0' Já há equipas oficiais!
0' Pedro Emanuel, técnico da Académica, faz a época de estreia na Liga, mas já assinou o melhor arranque da Briosa nas últimas décadas.
0' Para o Gil Vicente, o objectivo é conseguir a primeira vitória na Liga, depois do empate na 1ª jornada, com o Benfica (2-2) e da derrota (3-1) no Dragão, diante do F.C. Porto. Mas do outro lado está uma Académica que ainda não perdeu pontos, e que em caso de vitória garante a liderança isolada, pelo menos até ao dia 6, data em que o F.C. Porto cumpre o seu jogo da terceira jornada, com a U. Leiria.
0' Boa tarde. Maisfutebol inicia aqui o acompanhamento ao minuto do jogo de abertura da 3ª jornada, entre o Gil Vicente e a Académica. O pontapé de saída está marcado para as 19.30. Fique ligado e comente as incidências da partida em tempo real.

Árbitro

Olegário Benquerença (3)

27 de agosto de 2011

Cédric Soares convocado para os sub-21


O jogador da Académica, Cédric Soares, está incluído na lista de convocados para a Selecção Nacional sub-21 que defronta a Moldávia e França nos dias 1 e 5 de Setembro, respectivamente.


A partida de Tiraspol marca a estreia da Equipa das Quinas no Grupo 6 de qualificação para o Campeonato da Europa de 2013, que terá lugar em Israel.




Após o encontro na Moldávia, os comandados de Rui Jorge recebem a França, em jogo de preparação, agendado para o dia 5 de Setembro, pelas 21h15, no Estádio Municipal de Rio Maior.


Recorde-se que esta é a primeira vez que Cédric é chamado aos trabalhos da Selecção Nacional sub-21. A concentração dos jogadores será feita no domingo, dia 28 de Agosto. 

2011/12 - 03J - Gil Vicente - Académica: Convocados: Estreia de Diogo Melo

Pedro Emanuel resolveu fazer uma alteração na convocatória para o jogo desta sexta-feira, com Gil Vicente, em Barcelos, em relação ao último jogo, diante do Rio Ave. O jovem técnico decidiu chamar Diogo Melo pela primeira vez, trocando-o pelo compatriota Fábio Luís.

Assim, continuam de fora, Fábio Santos, Nivaldo, Júlio César e Jerry, além de Cédric (apresenta-se apenas na segunda-feira), Orlando e Diogo Gomes, lesionados.

Lista de convocados:

Guarda-redes: 
Peiser e Ricardo;
Defesas: João Dias, Berger, João Real, Abdoulaye e Hélder Cabral;
Médios: Flávio, Diogo Melo, Hugo Morais, Pape Sow, Adrien e Danilo;
Avançados: Sissoko, Éder, Rui Miguel, Marinho e Diogo Valente.

25 de agosto de 2011

2011/12 - 03J - Gil Vicente - Académica: Árbitro: Olegário Benquerença


Árbitros para a 3.ª jornada:
Gil Vicente-Académica: Olegário Benquerença
Rio Ave-Olhanense: Jorge Sousa
Feirense-P. Ferreira: Cosme Machado
V. Guimarães-Beira-Mar: Vasco Santos
Sporting-Marítimo: Pedro Proença
V. Setúbal-Braga: Hugo Miguel
Nacional-Benfica: Artur Soares Dias

Pedro Emanuel: “Seremos fiéis aos nossos princípios”


O treinador da Académica, Pedro Emanuel, fez esta quinta-feira a antevisão da partida frente ao Gil Vicente durante uma conferência de imprensa que decorreu no Estádio EFAPEL Cidade de Coimbra, a seguir ao treino matinal dos “estudantes”.

Para o técnico da Briosa, o segredo do sucesso em Barcelos poderá passar pela manutenção dos princípios de jogo da equipa mas lembrou que do outro lado estará um “adversário directo” que procura a primeira vitória no campeonato.




“Pensamos da mesma forma que pensámos até aqui. Existe um compromisso forte, respeitando os nossos princípios e é assim que vamos entrar em Barcelos. O Gil Vicente é uma equipa forte, que já o demonstrou diante do FC Porto e do Benfica. Ainda para mais jogam em casa. Não desvalorizamos nenhum adversário e vamos tentar superar o Gil, que é um adversário directo.”, começou por dizer.

Pedro Emanuel afirmou que o facto de o FC Porto não jogar neste fim-de-semana pode ser um factor de motivação para a Académica que, em caso de vitória ou empate, pode ascender à liderança do campeonato.

“É um factor de motivação poder subir à liderança da Liga. Mas não é o nosso principal objectivo. Sabemos perfeitamente que uma equipa destas, alimentada pelos dois últimos jogos, pode-nos surpreender. A Académica continuará a ter os seus princípios e por isso vamos querer ter a bola. Não vamos ter medo de assumir o jogo.”, adiantou.

O treinador da Briosa comentou ainda a paragem que o campeonato vai conhecer na próxima semana e realçou a importância que a mesma terá para ambientar Cédric, que chega a Coimbra no início da próxima semana.

“As paragens nunca são boas. Mas o calendário é assim. Vamos consolidar processos e ambientar o Cédric. Vamos trabalhar no sentido de que depois da paragem voltaremos a entrar no campeonato como fizemos até aqui.”, sustentou.

A terminar a conferência de imprensa, Pedro Emanuel lembrou aquele que tem sido o lema da Académica: o colectivo sempre à frente do individual.

“Defendo uma coerência no discurso. Aqui e no balneário. O colectivo está sempre à frente do individual. Quem não se adaptar à realidade do colectivo, terá menos hipótese de sucesso, na minha opinião. Temos um grupo unido, solidário e coeso. O próprio discurso que os jogadores têm tido vai nesse sentido.”, finalizou.

João Dias quer "lutar pelos três pontos" em Barcelos


O jogador da Académica, João Dias, esteve esta quarta-feira na sala de imprensa da Academia Dolce Vita onde fez a antevisão do jogo frente ao Gil Vicente, que será disputado no próximo sábado, pelas 19:30, no Estádio Cidade de Barcelos.


"O Gil Vicente é um adversário complicado mas estamos preparados. Liderança? É um factor de motivação mas pode ser temporário. O nosso objectivo passa por conquistar os três pontos independentemente da classificação. Estamos preparados e vamos com espírito de vitória.", começou por dizer o lateral direito.


O 2 da Briosa afirmou que "as coisas têm corrido bem" até ao momento e elogiou o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido por toda a Académica desde o início da temporada.


"Acreditávamos desde o início que o trabalho desenvolvido por toda a Académica nos permite chegar aos jogos e lutar pelos três pontos. Todos os resultados são possíveis mas estamos confiantes e com os pés no chão. Faltam muitos jogos mas as vitórias dão-nos confiança e motivação para trabalhar todos os dias. Vamos passar bons e maus momentos e temos de estar preparados para isso.", adiantou.


Dois jogos e duas vitórias é o saldo da Académica até ao momento mas João Dias recorda que o objectivo dos "estudantes" passa por conquistar a manutenção o mais rápido possível.


"Os objectivos estão bem definidos. Queremos a manutenção o mais rápido possível mas ainda só fizemos dois jogos e sabemos que podemos cair por aí abaixo. Jogo a jogo queremos os três pontos e não pensamos em mais nada neste momento. Temos grupo forte e unido e esse será um dos nossos segredos. Existe uma grande entreajuda e essa é a forma mais fácil de evoluir e de crescer todos juntos.", sustentou.


O defesa da Académica deixou a porta aberta para continuar os estudos e realçou que essa é a vontade da Briosa e do próprio jogador. O problema é conciliar com o futebol...


"A minha situação nos estudos ainda não está decidida. Existe vontade minha e da Académica mas tenho de fazer o estágio, leccionar como professor e não será fácil conciliar. Vamos ver o que vai acontecer...", terminou.

Cédric Soares apresenta-se no dia 29

Depois de ter sido um dos esteios da selecção portuguesa que de forma brilhante alcançou o segundo lugar no Campeonato do Mundo de sub-20 na Colômbia, Cédric Soares vai apresentar-se em Coimbra no próximo dia 29 de Agosto.

O lateral-direito que esta temporada vai representar a Académica por empréstimo do Sporting vai agora gozar uns merecidos dias de férias, e estará às ordens de Pedro Emanuel a partir da próxima segunda-feira.

Recorde-se que o jovem vai lutar por um lugar na equipa academista com João Dias, que tem sido o eleito para o lado direito da defesa desde o início do campeonato.

22 de agosto de 2011

2011/12 - 02J - Académica 1 - Rio Ave 0: Resumo

2011/12 - 02J - Académica 1 - Rio Ave 0: Vencer sabe bem e estar na frente ainda melhor!

Académica 1 - Rio Ave 0
Liga Zon Sagres - 02J
Estádio Cidade de Coimbra 
21-08-2011 - 18H



Espectadores: 2581
Árbitro: Hélder Malheiro (4)
Melhor do Rio Ave: Vitor Gomes
Melhor da Académica: Danilo


Crónica


AAC-OAF: Corria a temporada 1968/69 e a Briosa festejava por esta altura a segunda vitória em outros tantos jogos no campeonato. 42 anos depois, a Académica vence o Rio Ave por 1-0 e iguala um feito que tem direito a referência na História dos "estudantes".


A turma comandada por Pedro Emanuel brindou os seus adeptos com um triunfo mais do que justo e o golo de Éderzito (o segundo em dois jogos) premiou uma Briosa atrevida, a jogar bom futebol e, sobretudo, a saber quando e como deve "matar" o adversário. O 17 da Briosa mostra que está em forma e ascende também ele ao topo da lista dos melhores marcadores do campeonato.


Sem erros defensivos e com uma enorme competência na organização do meio campo, Pedro Emanuel soube montar a equipa para a vitória e com a força de uns adeptos incansáveis estão reunidos os ingredientes necessários para um final feliz. E assim foi.


Jogar quando é preciso jogar, marcar quando é preciso marcar e sofrer quando é preciso. Sempre todos juntos e todos presentes. Porque esse é o segredo.


MF: A Académica voltou à liderança da classificação, juntando-se ao F.C. Porto, após a vitória deste domingo, em casa, sobre o Rio Ave. Os estudantes conseguiram o segundo triunfo consecutivo, depois de terem ganho à U. Leiria na semana passada, e igualam um feito obtido pela última vez na época de 1968/69, no arranque do Campeonato.


Sorriso largo no rosto de Pedro Emanuel, em época de estreia como treinador principal. A Briosa joga bom futebol, marca quando é preciso, também sabe sofrer e está no topo por mérito próprio, depois de um jogo que começou a vencer graças a uma notória diferença de ritmo para o adversário.


O Rio Ave tardou em entrar no jogo. Quando finalmente chegou à baliza adversária, já a Académica tinha coleccionado um par de oportunidades para abrir o marcador. Ainda assim, a reacção vila-condense foi muito tímida, desorganizada, em suma, fraca. Não deu, obviamente, para assustar Peiser, com excepção de um livre de Vítor Gomes.


A Académica, sempre a em altas rotações, foi encostando o adversário, com o jogo a fluir sobretudo pelo lado esquerdo onde Diogo Valente gozava de grande liberdade e ia «fustigando» a área da equipa dos Arcos com sucessivos cruzamentos.


Éder volta a brilhar


Das ameaças, chegou-se rapidamente ao golo. Novamente o pé esquerdo de Valente num centro calibrado para o homem do momento em Coimbra: Éder. O avançado luso-guineense voltava a marcar, num lance simples e eficaz. 


Houve mais Rio Ave no jogo? Nada. Foi como se nada tivesse acontecido. A mesma letargia, processos complicados, jogadores quase a passo, uma equipa à procura de soluções perante outra que esteve à beira de ir para o intervalo em posição mais confortável não fossem os reflexos de Paulo Santos, a atrapalhação de Éder, ou a sorte num outro lance de Adrien.


Pelo meio, Carlos Brito viu-se forçado a abdicar do experientíssimo (não é capitão por acaso) Gaspar, «queimando» uma substituição para o centro da defesa ainda na primeira parte. Azar para os vila-condenses, que colocaram de imediato Kelvin em aquecimento.


Influência do brasileiro emprestado pelo F.C. Porto ou não, a verdade é que as forças começaram a equilibrar-se, embora com a Académica mais objectiva e lesta nas suas acções. Peiser começou a sobressair e a área estudantil passou a estar sob mira assídua de adversários, com destaque para algumas bolas paradas. 


Os estudantes foram chamados a fazer mais trabalho defensivo, procurando tapar os caminhos para a sua baliza. Se tivessem aproveitado melhor as benesses da primeira parte, teriam evitado os sobressaltos, mas a vitória da Briosa não sofre contestação. 


O Jogo: Um golo de Éder, aos 17 minutos, permitiu a vitória caseira da Académica sobre o Rio Ave, por 1-0, mantendo-se na liderança da Liga portuguesa de futebol com o FC Porto, na segunda jornada.


Depois da vitória sobre a União de Leiria, a "Briosa" repete a dose, desta vez em casa, quebrando um jejum de dois anos de derrotas frente aos vilacondenses em Coimbra.


O historial dos confrontos entre os dois clubes em Coimbra no escalão principal revela um equilíbrio total, com três vitórias para Briosa e Rio Ave, cinco empates e 9 golos marcados pelos dois emblemas. Nas últimas duas temporadas, os vila-condenses saíram de Coimbra com duas vitórias, ambas por 0-1.


Em relação aos "onzes" iniciais, quer o treinador da Académica, Pedro Emanuel, quer o do Rio Ave, Carlos Brito, optaram por não mexer em relação à jornada inicial da Liga.


Os vilacondenses haviam empatado a zero na recepção ao Sporting de Braga, enquanto os "estudantes" foram derrotar por 2-1 a União de Leiria, na Marinha Grande, com uma boa exibição.


A Académica entrou de forma mais determinada, a pressionar a defesa do Rio Ave, num esquema de 4x3x3. Por sua vez, o Rio Ave foi explorando o contra-ataque sempre que podia, num esquema de 4x2x3x1.


Os primeiros quinze minutos foram um pouco insípidos, sem grandes situações de perigo de parte a parte. Apesar disso, o extremo Diogo Valente foi quem mais perigo criou para a baliza de Paulo Santos e seria ele quem estaria no cruzamento com peso, conta e medida para Éder inaugurar o marcador, aos 17 minutos, de forma acrobática.


O Rio Ave reagiu, mas com uma movimentação um pouco desorganizada e lenta, com os seus jogadores a serem apanhados algumas vezes em fora de jogo.


Quem se aproveitou disso foi a "Briosa", que esteve perto do 2-0, pois na sequência da marcação de um canto e de um cabeceamento perdido de Éder, o esférico foi para Abdoulaye, que rematou forte para uma defesa apertada de Paulo Santos para canto.


Antes do intervalo, a única jogada de perigo da equipa forasteira pertenceu a Braga, que rematou de longe na sequência da marcação de um livre directo, obrigando a uma grande defesa de Peiser para canto.


Na segunda parte, Carlos Brito apostou no reforço Kelvin, em detrimento de Pateiro. A formação nortenha veio com outra determinação e, logo aos 47, Wires obrigou a uma grande defesa de Peiser para canto, a passe de João Tomás. Mais agressivos, os vilacondenses continuaram a pressionar, mas sem grandes resultados práticos.


Ao minuto 64 (o mesmo que na Marinha Grande), Pedro Emanuel fez entrar a "arma secreta" da jornada anterior, o extremo Marinho, que atingiu o centésimo jogo na Liga portuguesa.


No último quarto de hora, a tendência ofensiva pendeu mais para o lado da equipa de Coimbra. Com Jeferson, aos 74 minutos, ia fazendo auto-golo, ao cortar um remate forte de Éder e Danilo, aos 79, sozinho frente a Paulo Santos, dá-lhe a bola de bandeja.


Destaques

MF: A figura: Éder


Segundo jogo, segundo golo. Participação decisiva na vitória, mais uma vez. Que mais se podia pedir ao jovem ponta-de-lança luso-guineense? É verdade que, por vezes, complica lances aparentemente simples, pode não ser um portento de técnica, mas é de uma disponibilidade e voluntariedade que acaba, inevitavelmente, por dar frutos. E tanto decide na frente, como ajuda cá atrás. À atenção do Sp. Braga, que tem direito de preferência sobre ele. 


A desilusão: João Tomás


A soberba é um dos pecados capitais. Criticou recentemente Paulo Bento por não o convocar para Selecção, mas, pelo menos pela amostra deste domingo, só deu razão ao seleccionador nacional. Abusou do fora-de-jogo, revelando-se demasiado estático, foi incapaz de, pelo menos, segurar bolas e combinar com os colegas e, para cúmulo, só logrou o primeiro remate, um cabeceamento, aos 83 minutos!


O estreante: Kelvin


Mexeu com a partida, deixando no relvado alguns pormenores interessantes. No meio de uma equipa com dificuldades em pensar e articular ideias, trouxe velocidade e desequilíbrios. João Dias, até então tranquilo perante Pateiro, sentiu bem de perto a vertigem de tentar manter quieto o jovem esquerdino. só esteve 45 minutos em campo e, mesmo assim, foi o jogador que mais faltas sofreu. Sintomático...


A revelação: Abdoulaye


Pegou de estaca este espadaúdo central senegalês emprestado pelo F.C. Porto. Além de autêntica torre de controlo na defesa, tem uma inusitada tendência para subir no terreno, que lhe valeu, por exemplo, o título de melhor marcador do Sp. Covilhã na época passada. Na retina, ficou um lance de insistência, quando retomou uma bola aparentemente morta na área e obrigou Paulo Santos a defesa apertada para canto. 


Outros destaques:


Diogo Valente


Rei das assistências na última época, já começou a mostrar que pretende revalidar o título. Não só ofereceu o golo a Éder, como fartou-se de tentar repetir a proeza junto de outros colegas, que, infelizmente, nem sempre souberam corresponder da melhor forma à oferta. 


O Jogo:  Académica


Adrien Silva | Marca o ritmo da Briosa. Joga simples, bonito, mas essencialmente de forma eficaz. É o patrão do meio-campo e só com faltas foi derrubado. E foram tantas que acabou substituído.


Abdoulaye | A melhor unidade da retaguarda. Rápido e agressivo, raramente perdeu um lance para os adversários. Os muitos centímetros também ajudaram.


Diogo Valente | No ano passado foi o rei das assistências da Académica. Ontem fez a primeira do novo ano. A subir de forma.


Danilo | É como o algodão. Não engana. A Briosa contratou bem. Faltou frieza na hora do remate.


Peiser | A segurança habitual. Quando foi chamado correspondeu à altura.


Berger | Não deu tanto nas vistas como o parceiro do eixo da retaguarda. Mas foi eficiente.


Rio Ave


Wires | Se dependesse dele o resultado seria outro. À frente da defesa, o brasileiro esteve demasiado só para contrariar a dinâmica contrária. Fez o que pôde e ainda teve tempo para ir à frente ensaiar o pontapé. Peiser estava atento.


Jeferson | Por vezes teve de recorrer à falta, mas o central foi a melhor unidade da retaguarda, assumindo a liderança face à saída prematura de Gaspar.


Braga | Desapareceu após o intervalo, mas até então foi dos mais rematadores da turma orientada por Carlos Brito.


Saulo | Do tridente ofensivo foi claramente o mais agitador. O problema é que foram poucas as vezes que conseguiu suplantar Hélder Cabral.


Paulo Santos | Sem culpas no único golo sofrido, cumpriu sempre.


Éder | Chamado ao jogo por causa da lesão de Gaspar. Não comprometeu.


Opiniões:

Pedro Emanuel (Académica):


«Vitória importante para conseguirmos o objectivo principal que é amealhar pontos, mas uma vitória difícil, porque jogamos contra uma equipa muito experiente e jogadores com muito tempo de primeira Liga. Fizemos uma boa primeira parte, com grande ascendente, e, na segunda, soubemos sofrer, o que também é importante. Tivemos grande espírito de equipa e de sacrifício.»


Carlos Brito (Rio Ave): 


«A Académica ganhou bem, não tenho problemas em dizê-lo. Eles marcaram e nós não. É justo. Na primeira parte, a equipa ficou amarrada em si mesma, pareceu-me algo receosa, talvez porque a Académica vinha moralizada. Penso que podíamos ter colocado o adversário em sentido, ainda na primeira parte, mas não conseguimos. O último terço da nossa equipa não está a funcionar da melhor maneira, estamos a conseguir sair bem em transição e mesmo em ataque continuado, mas a sequência do último passe, ou do cruzamento, não está a sair. Na segunda parte, a equipa mostrou-se mais solta e eu tinha dito ao intervalo que estava convencido de que se marcássemos cedo podíamos ter grandes possibilidades de ganhar, mas primeiro precisávamos de empatar. Conseguimos pressionar mais a Académica, obrigá-los a falhar passes e a jogar em contra-ataque. Nós tivemos uma boa oportunidade pelo João Tomás, já perto do fim, mas não conseguimos marcar. Mas agora há que reanimar as tropas para conseguirmos ganhar já na próxima jornada, que é importante, porque é um jogo em casa frente a um adversário do nosso campeonato.»


Éder, autor do golo da vitória da Académica sobre o Rio Ave, no final do jogo, este domingo, em Coimbra, na segunda jornada da Liga:


«A equipa conseguiu o objectivo. Estamos mais confiantes. É uma vitória importante e vamos tentar manter esta senda. Se estou mais confiante? Talvez. Nos outros anos tive lesões e isso condicionou-me as pré-épocas, até a nível mental. Dez golos no campeonato? Seria uma boa marca. Quanto à renovação, estamos em conversações, ainda esta semana o fizemos. Há diferenças mas não são grandes.»


Wires, jogador do Rio Ave, no final da derrota com a Académica, este domingo, em Coimbra, na segunda jornada da Liga:


«Não faltou nada, ou, melhor, faltou talvez um pouquinho mais de agressividade. Sofremos o golo num momento agitado, logo a seguir a deu-se a substituição do Gaspar. Tudo isso prejudicou a nossa equipa. O plantel é equilibrado e sabemos que o início de campeonato é sempre difícil mas vamos procurar trabalhar para dar a volta por cima.»


Minuto a minuto


90' FINAL DO JOGO! Académica - 1 Rio Ave - 0. Vitória justa da Académica, que recupera assim a liderança da Liga, na companhia do F.C. Porto.
90' CARTÃO AMARELO para Abdoulaye Ba (Académica )
90' Mais quatro minutos...
87' A Académica tenta sacudir a pressão!
83' João Tomás cabeceia para fora, no primeiro remate que fez esta tarde!!!
82' SUBSTITUIÇÃO Rio Ave . Sai Braga entra Dinei
81' SUBSTITUIÇÃO Académica . Sai Adrien Silva entra Flávio Ferreira
80' CARTÃO AMARELO para Wires (Rio Ave )
79' Danilo tinha tudo para marcar da meia-lua mas atirou à figura!
77' Paulo Santos atrapalha-se e cede canto a remate de Rui Miguel!
73' SUBSTITUIÇÃO Académica . Sai Rui Miguel entra Sissoko
73' QUASE AUTO-GOLO DE JEFERSON!!!
69' O Rio Ave acerca-se da área estudantil, quase sufocando o adversário...
63' SUBSTITUIÇÃO Académica . Sai Diogo Valente entra Marinho
59' Paulo Santos cai na área, procurando tirar proveito de um suposto contacto com Sissoko e obriga a parar a partida. Terá ficado um amarelo por mostrar pelo «teatro»...
54' Adrien por cima, de livre!
53' CARTÃO AMARELO para Éder Monteiro (Rio Ave )
48' Peiser e Saulo chocam no ar e ficam ambos a ser assistidos no relvado...
47' GRRRRANDE DEFESA DE PEISER!!! Pape Sow perde a bola para Braga, esta chega até João Tomas, que mete para Wires encher o pés mas o francês novamente no caminho da bola!!!
46' RECOMEÇA A PARTIDA
45' SUBSTITUIÇÃO Rio Ave . Sai Ricardo Pateiro entra Kelvin
45' INTERVALO NA PARTIDA ENTRE Académica e Rio Ave. Resultado justo, que só peca por escasso tal a diferença de ritmo entre as duas equipas.
45' Mais um minuto de jogo...
41' OPORTUNIDADE PARA A ACADÉMICA!!! Éder consegue segurar uma bola na área, abre para Adrien, e este atira para a baliza deserta mas a bola bate num defesa e Danilo não consegue depois a emenda!!
39' GRANDE DEFESA DE PEISER!!! Livre ainda longe da área de Vítor Gomes, que obriga o francês a voar e desviar a bola para canto!!
36' Abdoulaye obriga Paulo Santos a defesa apertada para canto!! Era pelo buraco da agulha!!
36' SUBSTITUIÇÃO Rio Ave . Sai Gaspar, lesionado, entra Éder Monteiro
30' Cruzamento de Danilo, Paulo Santos agarra, evitando que a bola chegasse a Diogo Valente.
25' Fase menos vistosa da partida, com muito passes errados...
19' Éder novamente, pela esquerda, a tentar assistir Danilo mas a defesa vila-condense manda para canto!
16' GOOOOOOOLLLLLOOOOOOO!!! ACADÉMICA ! 1-0 por Éder. Cruzamento perfeito de Diogo Valente da esquerda e Éder, ao primeiro poste, a desviar de Paulo Santos!!!! Até parece fácil!!!
15' Livre de Valente, por cima!
14' Danilo recebe mal a bola, a passe de Adrien, já na área, e perde a bola pela linha de fundo já depois de passar Paulo Santos!
11' Pateiro foge pela esquerda e atira cruzado, ao lado!
8' Responde finalmente o Rio Ave, que conquista dois cantos!
4' O Rio Ave praticamente ainda não passou do seu meio-campo e agora é Paulo Santos que tem de intervir para evitar um golo ao primeiro poste de Berger, na sequência de um canto!
1' COMEÇA A PARTIDA ENTRE Académica e Rio Ave
1' A Académica começa ao ataque!
0' Há dois anos, Wires marcou o golo solitário, enquanto no ano passado coube a Bruno Gama, na conversão de uma grande penalidade já nos descontos, desfeitear Peiser.
0' Curiosamente, dos três desaires dois aconteceram nas últimas duas temporadas, sempre por 0-1.
0' O saldo dos estudantes em casa diante os vila-condenses resume-se a oito vitórias, sete empates e três derrotas.
0' Pouco público nas bancadas, quando o sol começa finalmente a espreitar...
0' O árbitro da partida será o lisboeta Hélder Malheiro, auxiliado por Hernâni Fernandes e Rui Cidade. O quarto árbitro é João Capela.
0' RIO AVE: Paulo Santos; Zé Gomes, Gaspar, Jeferson e Tiago Pinto; Vitor Gomes e Wires; Saulo, Braga e Pateiro; João Tomás. Suplentes: Huanderson, Éder Monteiro, André Dias, Jorginho, Tiago Costa, Dinei, Kelvin e Rafinha.
0' ACADÉMICA: Peiser; João Dias, Berger, Abdoulaye e Hélder Cabral; Pape Sow; Adrien e Danilo; Sissoko, Éder e Diogo Valente. Suplentes: Ricardo, João Real, Flávio, Hugo Morais, Marinho, Fábio Luís e Rui Miguel.
0' Já há equipas oficiais!
0' Segue-se Paulo Santos, veterano guardião do Rio Ave, no aquecimento... e recomeça a chover com toda a força!
0' O plantel sofreu reajustes, saíram alguns jogadores importantes, como Bruno Gama, e os novos ainda estão à procura de referências. E Coimbra é sítio onde os homens dos Arcos costumam dar-se bem.
0' Conseguir travar o quarto classificado da última época não pode deixar de ser considerado um resultado positivo para o Rio Ave. Depois de uma pré-temporada já de si pouco vistosa, o início vila-condense, como é costume, não satisfez totalmente mas Carlos Brito sabe encarrilar a equipa com o passar das jornadas até patamares a roçar a excelência.
0' Peiser, como sempre, é o primeiro a entrar em campo para aquecimento, numa altura em que a aparelhagem sonora do estádio está muda...
0' E atenção, ganhar dois jogos consecutivos na Briosa, independentemente da fase da época, também é uma proeza da qual Domingos detém a mais recente patente. Nem André Villas Boas lá chegou¿
0' O desafio agora é outro, igualar uma proeza obtida pela última vez há muito mais tempo (na época de 1968/69): vencer nas duas primeiras jornadas do campeonato.
0' O triunfo diante da U. Leiria foi a primeira reviravolta no marcador consumada pelos estudantes desde os tempos de Domingos Paciência em Coimbra, há mais de dois anos!
0' Lista de convocados do Rio Ave: guarda-redes: Huanderson e Paulo Santos; defesas: Gaspar, Tiago Costa, Jeferson, Tiago Pinto, Zé Gomes, André Dias e Éder; médios: Vítor Gomes, Braga, Rafinha, Jorginho e Wires; avançados: Pateiro, Kelvin, João Tomás, Dinei e Saulo.
0' De fora das opções ficaram os reforços Yazalde e Christain Atsu, que só nesta sexta-feira começaram a trabalhar. Bruno China, Tarantini e Mendes continuam lesionados.
0' O atacante brasileiro, de apenas 18 anos, chegou a Vila do Conde há menos de duas semanas, por empréstimo do FC Porto, e já convenceu o treinador Carlos Brito.
0' A estreia de Kelvin está em destaque na convocatória do Rio Ave para esta deslocação a Coimbra.
0' Lista de convocados da Académica: guarda-redes: Peiser e Ricardo; defesas: João Dias, Berger, João Real, Abdoulaye e Hélder Cabral; médios: Flávio, Hugo Morais, Pape Sow, Adrien e Danilo; avançados: Sissoko, Fábio Luís, Éder, Rui Miguel, Marinho e Diogo Valente.
0' Assim, os ausentes serão os mesmos: Fábio Santos, Júlio César, Diogo Melo e Jerry, além de Cédric (no Mundial sub-20), Orlando e Diogo Gomes, lesionados. A esses, acresce Nivaldo, que foi anunciado como reforço durante a semana.
0' Pedro Emanuel tirou a papel químico a convocatória para o jogo deste domingo, com o Rio Ave, em relação à do jogo inaugural da Liga, diante da U. Leiria. O jovem técnico apreciou de tal forma o comportamento da equipa na Marinha Grande (vitória por 2-1), que resolveu chamar os mesmos 18 jogadores.
0' Nessa ronda, o Rio Ave não foi além de um nulo em casa com o Sp. Braga, pelo que está no grupo de nove equipas que têm apenas um ponto.
0' Os estudantes têm, assim, três pontos resultantes da vitória na Marinha Grande, diante da U. Leiria, na primeira jornada.
0' Está um tempo estranho em Coimbra: muitas nuvens, calor abafado (28 graus), e, há instantes, até estava a chover. O relvado parece um pouco seco.
0' Boa tarde. Sejam bem-vindos ao Académica-Rio Ave, jogo da segunda jornada da Liga para acompanhar, ao minuto, no Maisfutebol. Fique ligado!





Árbitro

Hélder Malheiro - nota 4

21 de agosto de 2011

2011/12 - 02J - Académica - Rio Ave: Antevisão: Estudantes procuram igualar uma marca com mais de 40 anos perante vila-condenses habituados a festejar em Coimbra

O Momento

Académica: A pré-época foi consistente e os frutos chegaram logo na jornada inaugural, com uma vitória no terreno de um rival e vizinho, uma estreia de pé direito para Pedro Emanuel. Mais do que isso, o triunfo diante da U. Leiria foi a primeira reviravolta no marcador consumada desde os tempos de Domingos Paciência em Coimbra, há mais de dois anos! O desafio agora é outro, igualar uma proeza obtida pela última vez há muito mais tempo (na época de 1968/69): vencer nas duas primeiras jornadas do campeonato. E atenção, ganhar dois jogos consecutivos na Briosa, independentemente da fase da época, também é uma proeza da qual Domingos detém a mais recente patente. Nem André Villas Boas lá chegou...

Rio Ave: Conseguir travar o quarto classificado da última época não pode deixar de ser considerado um resultado positivo. Depois de uma pré-temporada já de si pouco vistosa, o início vila-condense, como é costume, não satisfez totalmente mas Carlos Brito sabe encarrilar a equipa com o passar das jornadas até patamares a roçar a excelência. O plantel sofreu reajustes, saíram alguns jogadores importantes, como Bruno Gama, e os novos ainda estão à procura de referências. E Coimbra é sítio onde os homens dos Arcos costumam dar-se bem.

Ausências:

Académica: Fábio Santos, Cédric (no Mundial sub-20), Nivaldo, Júlio César, Diogo Melo e Jerry, por opção; Orlando e Diogo Gomes, lesionados.

Rio Ave: Bruno China, Tarantini e Mendes, lesionados. Atsu e Yazalde, ainda não inscritos.

Discurso directo:

Pedro Emanuel: «O topo pouco nos diz, o que interessa é o trabalho diário e acreditar no que fazemos. O campeonato é uma competição de regularidade, não tem uma, duas ou cinco jornadas, tem 30. Há que criar estabilidade exibiccional para o conseguir ao nível pontual. Essa é a nossa preocupação. Nem agora somos os melhores do Mundo, nem para a semana seremos os piores», garantiu o técnico dos estudantes, no lançamento do jogo.

Carlos Brito: «A primeira jornada foi feliz para a Académica pois obteve um resultado moralizador ao vencer fora. Existe agora o factor casa e uma massa associativa que incentiva muito o plantel. Espero assim um jogo difícil, entre duas equipas idênticas que gostam de disputar o jogo. Temos de dar o nosso melhor para aspirar vencer a partida. Espero que a vitória nos sorria», disse o treinador do Rio Ave, na antevisão da partida.

Histórico de confrontos:

O saldo dos estudantes em casa diante os vila-condenses resume-se a oito vitórias, sete empates e três derrotas. Curiosamente, dos três desaires dois aconteceram nas últimas duas temporadas, sempre por 0-1. Há dois anos, Wires marcou o golo solitário, enquanto no ano passado coube a Bruno Gama, na conversão de uma grande penalidade já nos descontos, desfeitear Peiser.

Equipas prováveis:

ACADÉMICA: Peiser;

João Dias, Berger, Abdoulaye e Hélder Cabral;

Pape Sow; Adrien e Danilo;

Sissoko, Éder e Diogo Valente.

Outros convocados: Ricardo, João Real, Flávio, Hugo Morais, Marinho, Fábio Luís e Rui Miguel.

RIO AVE: Paulo Santos; Zé Gomes, Gaspar, Jeferson e Tiago Pinto; Vitor Gomes e Wires; Saulo, Braga e Pateiro; João Tomás.

Outros convocados: Huanderson, Éder Monteiro, André Dias, Jorginho, Tiago Costa, Dinei, Kelvin e Rafinha.