29 de fevereiro de 2012

Académica bate Pampilhosa (3-0) a pensar no Feirense

A Académica venceu esta quarta-feira o Pampilhosa, da III Divisão, em jogo-treino realizado à porta fechada, na academia do clube, que serviu para preparar a deslocação a Santa Maria da Feira, no próximo domingo.

Pedro Emanuel começou por utlizar um onze com jogadores mesno utlizados como o comprovam os autores dos golos, todos obtidos na primeira parte: Rui Miguel (dois) e Hugo Morais.

A Académica regressa aos treinos esta quinta-feira, pelas 10 horas, e, no final da sessão, como aconteceu habitualmente, um jogador do plantel fará a antevisão da partida do fim-de-semana.

28 de fevereiro de 2012

Magique: «Já disseram que faço coisas extraordinárias»

Quem? Magique? A interrogação dever ter percorrido a bancada de Imprensa do Estádio Cidade de Coimbra mal foi distribuída a ficha do jogo entre a Académica e o Benfica, no último sábado. Pedro Emanuel estava há semanas a preparar o lançamento de um miúdo, ainda júnior, chegado a Portugal vindo da Costa do Marfim há apenas seis meses, e escolheu logo um embate de alto calibre para o lançar.

O extremo, de 19 anos, não tremeu na estreia, ouviu uma vez mais os conselhos do amigo Abdoulaye, dos restantes colegas e do técnico, cerrou os dentes e foi lá para dentro enfrentar Aimar e companhia com a calma de um veterano. Sem encantar, deixou indicações positivas e viveu, emocionado, o primeiro encontro numa liga principal.

«Estava à espera desta oportunidade. Pelos treinos, sabia que podia jogar. Senti um misto de emoções. Fiquei muito contente. Procurei fazer o que faço habitualmente, sem receios ou pressão. No final, fui felicitado por toda a gente, amigos, família, até desconhecidos», conta, em conversa com o Maisfutebol, deixando escapar o «orgulho» dos pais em Abidjan.

Judikael Magique Goualy é o mais recente rosto da parceria da Briosa com o Cissé Institut, da Costa do Marfim. Neste caso, trata-se de um atleta totalmente moldado pelo antigo jogador da Naval, que o acolheu aos sete anos. «Devo-lhe tudo. Quando achou que estava preparado [aos 18 anos] disse-me: estou tranquilo, sei da tua qualidade. Vais para a Europa para triunfar.»

Cumpriu menos de meia época com os juniores da Académica, impressionou Pedro Emanuel, e foi inscrito em janeiro. Está, como outros jovens, a viver na academia do clube, onde o tempo custa a passar, mas é assim que se faz a adaptação (quase não fala português) até começar a viver na cidade. «É um bocado chato, sempre aqui fechados, mas, por outro lado, permite-me concentrar unicamente no trabalho», analisa.

Clone de Sissoko? Não, melhor!

Falar dos jovens marfinenses em Coimbra é falar de Ibrahim Sissoko, o pequeno extremo cheio de fintas que teve uma passagem meteórica pela Académica e rendeu, no último mês, uma das maiores somas de sempre para o clube com a transferência para o Wolfsburgo. Amigos desde os tempos em África, é inevitável fazer comparações entre eles.

Ambos são esquerdinos e pisam os mesmos terrenos, mas quem os conhece melhor diz que Magique é superior. Ascendeu mais cedo ao plantel principal e, asseguram, é mais objetivo e preciso no que faz. «Somos parecidos, mas eu tenho uma forma diferente de controlar a bola. Se gostava de seguir-lhe as pisadas? Quero fazer ainda mais, se possível», garante, a sorrir.

Tal como o antigo colega, o jovem extremo cresceu a jogar na vastidão africana, tantas vezes remetido às ruas para expressar o seu talento. O nome, afinal uma alcunha, ganhou-o justamente ai, a dar largas à imaginação. «Foi um senhor lá do meu bairro, que me começou a chamar assim. Tu est magique, dizia, porque eu fazia coisas extraordinárias. Era como magia. Pegou», recorda.

A ascensão foi rápida, mais rápida do que esperava, e o futuro, acredita, só pode ser melhor. «Nada é fácil, mas acredito no meu talento. Tenho ambição e vou trabalhar mais e mais para chegar longe», promete. Para já, quer continuar no onze dos estudantes, aprender, e perder a timidez que o caracteriza cá fora. Dentro de campo, a história é outra.

26 de fevereiro de 2012

2011/12 - 20J - Académica 0 - Benfica 0: Ponto de Ouro!


nº espectadores: 14 011
nota para Hugo Miguel: 3
melhor do Benfica: Artur
melhor da Briosa: Peiser

Crónica 

AAC-OAF: A Académica empatou este sábado com o Benfica a zero bolas em jogo que contou para a jornada 20 da Liga ZON Sagres. Pedro Emanuel promoveu as estreias a titular de Magique e de Reiner Ferreira que, diga-se, deram conta do recado numa partida onde a Briosa mostrou enorme competência e, sobretudo, muita segurança.

Perante 14.011 espectadores, os "estudantes" tudo fizeram para chegar ao golo e Diogo Melo, na etapa complementar, esteve bem perto de inaugurar a contagem mas Artur respondeu com uma excelente defesa. Esta terá sido a melhor ocasião da Briosa que nunca descurou o contra-ataque para importunar os encarnados.

O Benfica, líder do campeonato, esteve também perto de marcar mas qualquer suposta supremacia da equipa de Jorge Jesus não vale nada perante uma exibição de enorme qualidade do guardião Peiser, que se mostrou muito seguro por entre os postes.

Com este empate, a Académica soma 21 pontos na tabela classificativa e na próxima ronda desloca-se a Santa Maria da Feira para defrontar o Feirense.

MF: O Benfica somou o terceiro jogo consecutivo sem ganhar e ficou à mercê do F.C. Porto que, agora, só precisa de vencer este domingo o Feirense para recuperar a liderança da Liga. As derrotas em São Petersburgo e em Guimarães tiveram ecos em Coimbra, onde as águias não foram além do zero.
Depois do trambolhão no Minho, que custou os primeiros pontos às águias desde a 10ª jornada, na visita a Braga, e o consequente encurtamento da vantagem sobre o F.C. Porto para dois pontos, a visita a Coimbra revestia-se de particular importância. Ainda por cima, tratava-se do jogo imediatamente antes do clássico. Chumbo absoluto.

A margem de manobra era, portanto, bastante apertada e a vitória afigurava-se como único resultado admissível para a formação de Jorge Jesus. A equipa melhorou em relação ao último jogo, com mais pressão e melhor circulação de bola frente a um adversário que apostou tudo na defesa do nulo. Mas pecou na finalização, desperdiçando várias possibilidades de golo, algumas a roçar o escândalo.

O jogo abriu praticamente com um lance polémico na área da Briosa, num cruzamento de Bruno César que esbarra num braço de Cédric. O Benfica impunha o ritmo e, pouco depois, o «chuta-chuta» chega ligeiramente atrasado a um centro de Gaitán, que rasgou a defesa da casa.

A primeira grande ocasião apareceu logo a seguir, na cabeça de Pablo Aimar mas Peiser fez uma grande defesa face a um golo iminente. Os encarnados continuam instalados no meio-campo da Académica, chegavam rapidamente a zonas de finalização, mas, uma vez lá chegados, faltava sempre qualquer coisa.

Maxi Pereira e Matic destacavam-se nesta fase do jogo, empurrando a equipa para a frente, perante um adversário que convidava ao ataque, mas quando a bola não falhava o alvo havia Peiser ou um defesa mais afoito. Cardozo, de folha seca, esgotaria as oportunidades da primeira parte, outra vez num remate por cima.

Jesus lança Nélson Oliveira a todo o gás

Era evidente que o Benfica tinha de dar mais poder de fogo ao ataque e se, em Guimarães, Jesus foi criticado por ter entrado com um onze demasiado ofensivo além de ter demorado a mexer na equipa, em Coimbra, o técnico encarnado fez o contrário. Ao intervalo, mudou o o 4-2-3-1 para um 4-1-3-2 , com a troca de Matic por Nélson Oliveira.

O jovem avançado, recente aposta de Paulo Bento na Seleção A, entrou com a corda toda, isolou-se, e, logo na primeira jogada da segunda parte, ficou a centímetros do golo. A Académica ainda respondeu, mas havia, definitivamente, mais vermelho na partida. Prova disso foi a bola enviada à barra por Flávio Ferreira, num corte providencial quando Cardozo tinha tudo para marcar.

Peiser também ajudou a manter o marcador a zero, num par de defesas consecutivas a remates de Nélson Oliveira e Maxi Pereira. Os estudantes defendiam-se como podiam da avalancha ofensiva encarnada, às vezes até recorrendo à falta, como aconteceu num derrube de Flávio Ferreira sobre Aimar em plena área que o árbitro não terá visto. Pouco depois, Hugo Miguel também poderia ter dado o segundo amarelo a Maxi, por uma entrada dura sobre Cédric, só que, mais uma vez, o juiz teve uma decisão discutível.

O Benfica perdia discernimento, à medida que o tempo passava e o golo não aparecia. De um futebol de pé para pé passou rapidamente para lançamentos longos, facilitando a tarefa a quem defendia. De bola parada, Nélson Oliveira voltou a falhar o alvo de forma incrível. Foi a antecâmara para um final de nervos, com os de Coimbra também a explorarem o adiantamento da equipa da Luz durante seis longos minutos de descontos.

No final, a Briosa, que tem marcado passo na Liga, voltou a ter razões para sorrir depois da qualificação para o Jamor, que até meteu um «atropelo» ao F.C. Porto. Esta época, no Mondego, só mesmo os portistas conseguiram passar para o Campeonato.

O Jogo: Uma primeira parte a roçar a sonolência e um chorrilho de golos falhados - aqui, de braço dado com uma noite memorável para Peiser - na etapa complementar resumem novo teste falhado pelo Benfica. À derrota em Guimarães, os encarnados responderam com dois pontos a arder em Coimbra, o que na prática tem tudo para incendiar o clássico do próximo dia 2 de março, onde estará em jogo a liderança. Basta que o FC Porto vença hoje o Feirense.

Jorge Jesus teve, à partida, a contrariedade de perder Rodrigo à última hora, por lesão. Obrigado a mexer, o técnico relançou Witsel no meio-campo e manteve Aimar nas costas de Cardozo. Relativamente ao tal desaire de Guimarães, Nolito deu lugar a Bruno César e Pedro Emanuel, esse, limitou-se a pôr em campo a "fórmula grandes", isto é, inverteu o habitual triângulo do meio-campo para passar a ter dois homens à frente da defesa (Diogo Melo e Adrien). Pelo meio, ainda testou a sua nona dupla de centrais da época, desta feita até com lugar à estreia absoluta de Ferreira. Mais, ainda deu para estrear o júnior Magique, que isso em nada comprometeu as aspirações ao pontinho. E até podemos tentar fugir ao "cliché" da lição bem estudada pelos homens da casa, mas a verdade é que a expressão ilustra perfeitamente o que se passou em toda a primeira parte, no que aos da casa diz respeito. Com a equipa a jogar a maioria do tempo no espaço de 30 metros, Pedro Emanuel encurtou, e de que maneira, a margem de manobra dos artistas da Luz. Impunha-se uma velocidade que, ao longo destes primeiros 45', a águia só teve numa ocasião, quando Maxi Pereira fugiu pela direita e cruzou para Aimar ver Peiser negar-lhe a festa. A Académica ia-se "limitando" a jogar no erro do Benfica e, com maior atrevimento, até poderia ter feito estragos.

Jesus sabia que tinha de mexer e quem ao jogo assistia sabia também que faltava um abanão. Alguém que, na prática, conseguisse explorar as costas da defesa estudantil. Esse alguém foi Nélson Oliveira. O miúdo que tem o Euro'2012 à porta entrou para a segunda metade de rompante e, logo na primeira vez em que tocou na bola, poderia ter abanado a rede. Isolado, atirou por cima, mas estava visto que o emblema da Luz mostrava, finalmente, vontade de vencer. O problema, pensará Jesus, é que aquilo que se seguiu foi um autêntico festival de desperdício, facilmente constatado no "filme do jogo" aqui ao lado. O futuro internacional "AA" foi protagonista da maioria, mas se teve o mérito de abrir buracos na defesa da Académica, também fica com o peso nas costas de ter desperdiçado oportunidades flagrantes, como aquela aos 82' (ver momento do jogo), em que tinha a baliza à mercê e atirou ao lado.

Pelo meio, os comandados de Pedro Emanuel ainda conseguiram empolgar as bancadas, ajudando a colorir uma grande segunda parte e obrigando Artur a aplicar-se. Foi grande, por exemplo, a parada do guardião a tiro de Diogo Melo (54'). E se Jesus já ia vendo o efeito Nélson Oliveira surtir efeitos - com Aimar nas costas dos avançados, a equipa melhorou -, procurou acrescentar-lhe o "abre-latas" Nolito. Mas o espanhol andou de costas voltadas com o golo e o técnico encarnado olhou para o banco para ver o que podia fazer mais. Lançou Yannick Djaló no lugar de El Mago (70') quando este mais rendia e, desde então, os encarnados só lograram criar uma grande oportunidade de golo, o que, por si só, diz muito.

Entre o misto de azar e falta de arte do Benfica, mérito para uma Académica bem organizada, que deixa a águia a lamber feridas até ao clássico.

Opiniões

Pedro Emanuel, treinador da Académica, depois do empate alcançado em casa, diante do Benfica (0-0), neste sábado, em Coimbra:

«Naturalmente que o resultado é bastante importante nesta fase, em que atravessávamos um momento menos positivo e conquistar um ponto é sempre importante. Mais moralizador ainda porque foi contra um candidato ao título e que vai à frente no campeonato. Valorizamos esses pontos que vamos conquistando para conseguirmos o nosso objectivo. Valoriza-se mais este resultado, mas na tabela classificativa isto só reflecte um ponto. É obvio que é moralizador, a equipa vinha de algum desgaste mental, porque não ganhando duvidamos mais das nossas capacidades, temos menos confiança e estamos menos disponíveis para aquilo que é o risco. Mas acho que a equipa hoje demonstrou ter um grande carácter e espírito de sacrifício. Cumpriram à risca tudo aquilo que se pediu, jogaram coletivamente muito bem, o que nos permitiu conquistar este ponto. Acima de tudo revelámos competência e capacidade de nos adaptarmos a um adversário difícil que tem outro tipo de capacidades. Não era nosso objectivo enfrentar o jogo de igual para igual. Era antes encurtar os espaços onde o Benfica é mais forte e anteciparmos aquilo que seria a dinâmica do Benfica e, de quando em vez, quando tivéssemos a possibilidade de irmos à frente. Hoje, em determinados momentos, tivemos alguma sorte, mas estamos cá para lutar e conseguir coisas boas. Este vai ser um campeonato extremamente competitivo e, até ao fim, todas as semanas a tabela pode sofrer grandes alterações porque as distâncias são muito curtas.»

Jorge Jesus, treinador do Benfica, depois dos dois pontos perdidos pelos encarnados em Coimbra, após o empate a zero, neste sábado, diante da Académica:

«Não estávamos a pensar perder pontos aqui. Mas é um fato que não conseguimos concretizar a qualidade de jogo que o Benfica teve durante os 95 minutos. Criámos sete ou oito oportunidades de golo na segunda parte, mas não conseguimos fazer golo, apesar da qualidade de jogo ofensivo que tivemos. E assim, as contas fazem-se num cenário completamente diferente. Mas penso que fizemos um bom jogo, principalmente, tivemos uma segunda parte muito forte, contra uma equipa que tentou defender e sair daqui com um ponto, não sofrendo golos. Não nos criaram muitas dificuldades defensivas, mas era aquilo que lhes competia fazer, e o que nos competia a nós era sermos uma equipa ofensiva, como fomos e que criámos oportunidades, mas não as concretizámos. Hoje os jogadores fizeram uma excelente partida, só não o traduziram no que é a essência do futebol, que é o golo.»

[A partida com o F.C. Porto vai ser o jogo do título?]
«Não é o jogo do título. Depois dessa partida ainda ficam a faltar nove jogos. O Benfica já teve uma vantagem pontual, e em poucas jornadas o F.C. Porto conseguiu recuperar. O campeonato português é assim, muito competitivo. Há jogos, como o de Guimarães, em que podíamos ter saído de uma forma diferente, hoje, não há razão para isso, porque a equipa esteve muito bem. Tendo em conta a forma dinâmica e objetiva como jogámos foi pena não termos saído daqui com um golo, principalmente o Nelson Oliveira, que entrou muito bem no jogo»

[Em caso de igualdade pontual considera que o F.C. Porto entrará em campo por cima em termos psicológicos?]
«Não sei o que os jogadores do F.C. Porto pensam, mas os nossos jogadores entram com a mesma convicção, e o campeonato é isto mesmo, uma soma pontual até chegar ao fim. E temos grande confiança para vencermos o clássico»

[Se o Braga ganhar considera que passará a ser um campeonato a três?]
«O Braga é uma equipa que tanto o Benfica como o F.C. Porto têm de sentir que tem todas as condições para se chegar à frente. E pode muito bem ser um final de campeonato a três.»

[Rodrigo está em dúvida para o clássico e para o jogo da seleção sub-23 espanhola?]
«Se nem sequer estava nos convocados, temos a certeza que ele não está em condições de fazer o jogo da seleção. Mas o jogador é obrigado a comparecer na convocatória da seleção e vai ter de ir a Espanha e voltar a Portugal, porque ele não está em condições para fazer o jogo. Isto ainda tem a ver com a lesão que sofreu frente ao Zenit, da qual se ressentiu durante a semana.»

[Agora vai coincidir um momento importante na Champions com um momento importante no campeonato, e com muito pouco tempo entre eles¿]
«São dois jogos que têm grande importância, no campeonato ainda temos mais nove jogos, enquanto que na Champions só temos um jogo para passar. É tudo em poucos dias, mas a equipa está preparada, porque também já está habituada a estes cenários».

[Já contará com o Javi ao longo desta semana?]
«Vamos ver. Já pensávamos poder contar com ele hoje, mas não foi possível, porque ele ainda não se sentiu confiante, e resolvemos não arriscar. Agora, até sexta-feira vamos ver.»

[O que disse ao Nelson Oliveira no final do jogo?]
«Ele estava um pouco triste, como a equipa toda, e o que lhe disse foi que já era um bom sinal ele ter tido três oportunidades, embora não as tenha concretizado. Isto também é fruto de alguma inexperiência, porque é um jovem, e nos momentos da decisão os jogadores com mais experiencia, são mais frios. Mas disse para ele estar tranquilo. Estas falhas têm a ver com a maturidade, mas isso é o que o faz crescer, porque ele tem todas as qualidades para ser um grande jogador».

Edinho, jogador da Académica, no final do empate a zeros diante do Benfica, este sábado, em Coimbra:
«Espero que seja o início de uma nova era para nós. Acima de tudo, conseguimos fazer aquilo que o mister nos pediu, fomos compactos, solidários e com enorme entreajuda. Já o fizemos antes, mas não foi possível conseguir melhores resultados. Sabemos que o Benfica vinha de grande momento de forma mas fizemos tudo para aniquilar as ações dele, e saímos com um resultado justo. Acima de tudo, confiamos nas nossas capacidades, sabíamos que ia ser muito difícil mas conseguimos pontuar, que era o mais importante.»

Saulo, jogador da Académica, no final do empate a zeros diante do Benfica, este sábado, em Coimbra:
«Acho que o importante é o espírito de grupo, a união muito grande dentro do campo, e isso é importante para quem quer conseguir a manutenção o mais rapidamente possível. A equipa demonstrou isso, contra uma equipa que lutar para ser campeã. Estamos de parabéns e saímos com sentido de dever cumprido. Vamos continuar a trabalhar e pensar já no próximo jogo. A nossa estratégia passou por jogarmos fechadinhos e explorar o contra-ataque. O mister pediu-nos para anular os pontos fortes do Benfica, o que conseguimos. Penso que toda a gente viu o belíssimo jogo que fizemos. Vínhamos de duas derrotas, este empate moraliza a equipa e é melhor somar do que sumir. Somámos um ponto muito importante para o nosso campeonato. Este ponto teve sabor a vitória.»

Pablo Aimar, jogador do Benfica, no final do nulo em Coimbra, este sábado, diante da Académica:
«Há coisas no futebol que não têm explicação. Nestes momentos e, neste jogo em particular, penso que tivemos oportunidades suficientes para ganhar mas não acertámos com a baliza. Ansiedade? Não me parece. Simplesmente não temos sido precisos na hora de definir os lances. Temos falhado na finalização. Estamos três pontos à frente do F.C. Porto e esperamos não sofrer consequências. Esperamos continuar o nosso caminho e fazer um bom jogo na sexta-feira.
A grande penalidade? Penso que toda a gente viu. Por vezes, há jogadas que parecem uma coisa e, depois, na televisão, vê-se que não é bem assim mas, neste caso, julgo que foi demasiada clara. Não tento tirar vantagens desta situação em particular, mas creio que o penalty foi claríssimo. Claro que acredito que vamos vencer o F.C. Porto. Em casa, com o apoio dos nossos adeptos, vamos fazer uma grande partida. Maior pressão? No Benfica é sempre assim. É uma equipa imensa, com muita gente por trás, e a pressão para ganhar está sempre presente, isso é o bom de jogar numa equipa tão grande.»

Nélson Oliveira, jogador do Benfica, em declarações à Sport TV, analisa o nulo em Coimbra, frente à Académica:
«Faltou uma pontinha de sorte. Fizemos tudo para ganhar. Por infelicidade nossa não conseguimos os três pontos.»

[que efeito pode ter este resultado?] «Não vai deixar consequências. Temos de levantar a cabeça e pensar no próximo jogo.»

[sobre a chamada à Seleção] «Fiquei muito contente. Não é esse o meu pensamento. Sou mais um para ajudar, e vou tentar aproveitar a oportunidade. Conquistar um lugar no onze não faz parte do meu pensamento.»

Destaques

A figura: Peiser

Cresceu, a olhos vistos, na baliza dos estudantes ao longo do jogo na exata medida em que os encarnados o foram colocando à prova, minuto após minutos. Impressionante a forma como se opôs aos remates consecutivos de Nélson Oliveira e Maxi Pereira, com reflexos de felino. Cardozo também tentou batê-lo mas era a noite do francês, que voltou a negar o golo à nova aposta de Paulo Bento, mesmo sobre o final.

O perdulário: Nélson Oliveira

Revitalizado com a vitamina que foi a primeira chamada à seleção principal, o jovem vice-campeão de sub-20 entrou ao intervalo como um tornado que revirou tudo à sua volta. Poucos segundos em campo, e, com uma rajada, varreu a defesa academista, contudo, a bola subiu demasiado alta. Logo depois, mais um sopro de talento a deixar Bruno César a surgir na cara de Peiser, mas a bola saiu a poucos centímetros do poste. Não demorou para que uma réplica do primeiro lance fizesse estremecer a barra da baliza dos estudantes, quando Flávio desviou um cruzamento da mais recente joia da academia benfiquista, quase fazendo auto-golo. Seguiu-se um dilúvio de oportunidades, mas Peiser mostrou-se impenetrável e guardou as intenções academistas.

Edinho

Nem sempre conseguiu acudir da melhor forma aos cruzamentos, sobretudo, de Saulo, mas, quando começou a acertar com o tempo de salto, assumiu-se numa espécie de oásis no deserto atacante dos estudantes. Criou perigo em alguns remates, nunca desistindo de dar trabalho aos centrais da Luz.

Diogo Melo

Teve nos pés a maior oportunidade de golo para a Académica num remate-surpresa, descaído para a esquerda, ainda longe da área, que obrigou Artur a voar para desviar a bola para canto. No mais, foi mais um que ajudou a meter trancas à baliza de Peiser, «plantado» à frente da defesa.

Outros destaques:

Witsel

Inquestionável a qualidade que o belga traz ao jogo dos encarnados. O futebol da equipa flui com outra qualidade. O médio multi-funções joga e faz jogar e dá uma segurança extra à equipa nas transições, tanto defensivas, como ofensivas. Quando Jesus quis arriscar mais puxou-o para trinco e a equipa cresceu.

Maxi Pereira

Grande exibição do lateral direito benfiquista. Surgiu em campo com a braçadeira de capitão e isso parece ter-lhe recarregado as baterias da atitude e da garra, que o caracterizam. Com Bruno César a procurar mais os espaços interiores, o uruguaio deu conta de todo o corredor direito encarnado, e daí surgiu muito do perigo para a defensiva academista. Foi ainda dos mais rematadores da partida, obrigando Peiser a algumas boas defesas.

Gaitán

Nesta viagem à beira-Mondego o extremo argentino foi o primeiro a agitar as águas do jogo. No início da partida voltou a ser o jogador que é o rosto do futebol do Benfica que privilegia a vertigem da velocidade. Mas depressa o seu futebol caiu a pique, o que fez com que fosse substituído nos primeiros minutos da segunda parte.

Jogadores - um a um

Peiser 8 - Bem podiam continuar a rematar

Há duas épocas, quando representava a Naval, causou enormes calafrios no Estádio da Luz, numa noite em que protagonizou uma excelente exibição. Na altura valeu aos encarnados a cabeça de Javi García para o 1-0 final, no último minuto do desafio. Mas ontem, o francês levou mesmo a água ao seu moinho, mantendo as redes invioladas do princípio ao fim. Aimar, de cabeça, foi o primeiro a pô-lo à prova, mas foi após o intervalo que nasceu, em definitivo, a figura do jogo. E o culpado também foi Nélson Oliveira; o avançado dos encarnados manteve um diálogo aceso com o guarda-redes, mas este levou sempre a melhor. A ideia que ficou é que fossem os remates de longe ou à queima-roupa, nada iria abater o dono da camisola 1, que teve uma daquelas noites para mais tarde contar à filha recém-nascida. Deu um ponto à Académica.

Cédric 7

Muita competência a defender.

Flávio Ferreira 6

Continua a dar cartas como central, valendo-se do ótimo posicionamento. Esteve perto do autogolo quando acertou na barra de Peiser.

Ferreira 7

Nada mau para estreante. Andou sempre atrás de Cardozo, mas também se fartou de sair da sua zona de jurisdição.

Hélder Cabral 6

Foi o que deu menos nas vistas do quarteto defensivo

Diogo Melo 6

Esteve perto de surpreender Artur quando rematou de bem longe. Destacou-se por aquilo que fez no plano defensivo.

Adrien Silva 6

A bola andou menos vezes no pé do 10; a estratégia a isso obrigava. Soube sempre o que fazer.

Danilo 5

Desta vez foi necessário apelar à capacidade de sofrimento. Esteve sobretudo em missão coletiva.

Magique 5

Ainda tem idade júnior, mas o míster não hesitou em lançá-lo às feras. E o marfinense deu conta do recado.

Edinho 5

Teve pouco apoio. Na única oportunidade que teve, Garay foi mais rápido.

Saulo 5

Foi um dos acidentados do lado estudantil. Destacara-se por alguns bons movimentos.

Diogo Valente 4

Foi uma seta apontada à baliza de Artur.

Marinho 3

Sempre que a bola lhe chegou aos pés, soube protegê-la.

Rui Miguel 3

É avançado, mas foi a recuperar bolas a meio-campo que mais brilhou.

Benfica

Artur 6

Foi mais líbero do que guarda-redes, a intercetar cruzamentos e desmarcações. Negou um golo com uma palmada a disparo de Diogo Melo.

Maxi Pereira 7

Foi o segundo que mais rematou (três), o que ilustra a enorme vontade de ajudar a equipa a ganhar. Fez cruzamentos, isolou Nélson Oliveira numa das melhores oportunidades das águias e ainda se fartou de defender.

Jardel 5

Na primeira metade, a incisividade academista era tão grande que teve de fazer um mau passe (para os pés de Saulo) para o adversário criar perigo. Na segunda não foi bem assim, uma vez que os conimbricenses deram mais trabalho.

Garay 6

Deu um ponto aos encarnados com um corte que merece realce e até adjetivos dos mais fortes: "espetacular", por exemplo, tal foi a limpeza com que se antecipou a Edinho, quando este afiava as garras para marcar.

Emerson 5

Esforçou-se a subir para fazer tabelinhas com Bruno César, a defender não cometeu grandes erros, mas passou alguma intranquilidade aos colegas.

Matic 5

Um corte sobre Edinho aos 40' foi o que fez de melhor. A sua importância percebeu-se melhor depois de sair, pois, com mais espaço no miolo, a Académica cresceu bastante.

Witsel 7

Foi o que mais se distinguiu na fraca primeira parte dos encarnados, com duas boas aberturas e um remate que só não deu golo porque Peiser fez defesa difícil. Na segunda foi obrigado a recuar devido à saída de Matic e pode dizer-se que foi uma bela surpresa na função, com uma série de cortes vistosos, a impor-se com naturalidade em terreno alheio.

Gaitán 4

Começou bem, com um raide seguido de desmarcação para Bruno César. Fez mais uma ou duas boas aberturas, mas eclipsou-se.

Aimar 5

Os passes saíam-lhe errados, andava perdido no meio-campo academista. Após o intervalo melhorou muito, quando percebeu que Nélson Oliveira podia dar sequência à sua inteligência de jogo (o que não acontecera com Cardozo).

Bruno César 5

À imagem de Gaitán, apostou nas aberturas inteligentes. O problema é que ninguém conseguia aproveitá-las. Apesar disso, nunca desistiu e foi sempre um dos mais inconformados.

Cardozo 4

Má noite para o Tacuara, com algumas jogadas de perigo desperdiçadas por desinspiração ou atrapalhação. Bom pormenor aos 33', ao amortecer, para Witsel, um centro de Bruno César. Pouco.

Nélson Oliveira 6

Impressionante a forma como transformou a equipa. Os minutos iniciais após o intervalo foram de autêntico pânico para a defesa da Académica, perante um avançado com tal confiança que até parecia o melhor jogador do mundo. Esta, contudo, foi-se desvanecendo face às intervenções de Peiser e aos erros no remate (falhou quatro golos).

Nolito 4

Desta vez, o pequeno andaluz desiludiu os adeptos das águias, não conseguindo os habituais desequilíbrios no um para um.

Djaló 3

Esteve solto, procurou bem o espaço vazio, mas não resultou a substituição de Jorge Jesus. Presa fácil para a Académica.


Lances-chave

10' Sobre a direita, Cédric cruza para a área e, ao segundo poste, Saulo sobe mais do que Maxi Pereira e desvia de cabeça para fora.

11' Gaitán rompe pela esquerda e cruza ao segundo poste, mas Bruno César chega muito atrasado ao lance e a bola perde-se pela linha lateral.

18' Bom passe de Witsel para Maxi Pereira; o lateral cruza para a cabeça de Aimar, mas Peiser, com a perna, evita o golo do argentino.

22' Lance confuso na área da Académica, com a bola a sobrar para Maxi Pereira, que, de muito longe, atira com o pé direito por cima.

33' Cruzamento de Bruno César: Jardel toca de cabeça para Witsel, este, de costas para a baliza, tenta o remate acrobático, mas Peiser, com uma palmada na bola, evita que o belga festeje.

41' Hélder Cabral descobre Adrien Silva solto no meio, e o médio remata de primeira por alto.

42' Livre de Cardozo sobre a direita, para fora.

46' Isolado por Aimar, Nélson Oliveira corre desde o meio-campo e, só com Peiser pela frente, remata ao lado.

49' Saulo ganha em velocidade a Maxi Pereira e cruza para a área; Magique, no coração da área e sem adversários por perto, remata para as mãos de Artur.

51' Nélson Oliveira abre para Bruno César, que remata cruzado para fora

52' Nélson Oliveira rompe pela direita e cruza para a área. Ao tentar o desvio, Flávio desvia a bola para a barra.

54' De fora da área, Diogo Melo atira forte; Artur defende com dificuldade para fora.

57' Maxi Pereira abre para Nélson Oliveira, que, isolado, permite a defesa de Peiser. Na recarga, Maxi Pereira tenta a sua sorte, mas o remate do lateral-direito encontra um defesa da Académica e novamente Peiser no caminho, saindo pela linha do fundo.

66' Aimar coloca a bola na área, Cardozo dá um toque para a baliza, mas Peiser sai depressa e impede o golo do internacional paraguaio.

76' Rápido contra-ataque da Académica: Diogo Valente passa por Maxi Pereira e cruza para a área, Edinho prepara-se para rematar, mas surge Garay a fazer um corte fantástico.

82' Nélson Oliveira falha incrivelmente

Nélson Oliveira ao lado e dois pontos a voar
O miúdo até foi, de longe, o melhor trunfo lançado por Jorge Jesus em Coimbra. Correu, abriu espaços, gerou tumulto, mas pecou - e de que maneira - onde menos podia: na finalização. Assim foi aos 82', quando Maxi Pereira efetuou o lançamento lateral diretamente para a área, onde Witsel amorteceu de cabeça... para os pés de Nélson Oliveira. Com a defesa toda desposicionada (Peiser incluído) e a baliza à mercê, o jovem atirou rasteiro, mas a rasar o poste da baliza estudantil. O mais clamoroso falhanço do jogo, e que provavelmente tirou os três pontos à águia.

90'+6' Mesmo nos últimos instantes da partida, Nélson Oliveira volta a perder o duelo com Peiser num remate cruzado que o guardião da Académica defende com dificuldade.

Minuto a minuto 

90' FINAL DO JOGO! Académica - 0 Benfica - 0. Os estudantes seguram até ao apito final o empate e deixam Jesus à beira de um ataque de nervos. Tantas oportunidades o Benfica falhou em Coimbra! O F.C. Porto tem de vencer o Feirense para ficar ombro a ombro com a formação da Luz
90' CARTÃO AMARELO para Peiser (Académica )
90' CARTÃO AMARELO para Nolito (Benfica )
90' NÉLSON OLIVEIRA PARA DEFESA DE PEISER!! Mais uma vez em grande o francês
90' NOLITO FALHA O GOLO! Estava o sozinho, remata muito mal!
90' CARTÃO AMARELO para Adrien Silva (Académica ) por protestos
90' Seis minutos de descontos
90' Artur Moraes sai da baliza e rouba a bola a Diogo Valente. Muito bem o guarda-redes do Benfica
89' O Benfica começa a usar futebol direto. A Académica tenta jogar no contra-ataque
85' Rui Miguel muito por alto! Estava em posição para fazer melhor
84' Cedric remata contra a barreira!
84' Livre a favorecer a Académica em zona perigosa...
84' CARTÃO AMARELO para Cedric (Académica ) por protestos
83' NÉLSON OLIVEIRA A CENTÍMETROS DO GOLO!!! Lançamento de Maxi e desvio do ponta-de-lança! A baliza estava à sua mercê
82' SUBSTITUIÇÃO Académica . Sai Danilo entra Rui Miguel
81' SUBSTITUIÇÃO Académica . Sai Saulo entra Marinho
79' Saulo está a ser assistido após choque com Danilo. Há muito sangue a escorrer pela testa do academista
76' GRANDE CORTE DE GARAY! Passe de Diogo Valente e Edinho quase a rematar em zona de golo!
73' Canto na direita a favor do Benfica e perigo! Diogo Melo afasta o desvio de Cardozo!
71' Yannick Djaló cruza na direita, Cardozo chega atrasado
70' SUBSTITUIÇÃO Benfica . Sai Pablo Aimar entra Yannick Djaló
68' Peiser agarra sem problemas o cabeceamento de Nélson Oliveira
66' CARDOZO CONTRA PEISER!! O paraguaio parecia em fora-de-jogo, mas o árbitro nada assinala!
64' CARTÃO AMARELO para Flávio Ferreira (Académica ) por derrubar Nélson Oliveira
63' Edinho estraga o remate de Adrien Silva. Mal o ponta-de-lança da Académica
62' A repetição na tv mostra que ficou por marcar uma grande penalidade a favor do Benfica: falta de Flávio Ferreira sobre Aimar
61' SUBSTITUIÇÃO Académica . Sai Magique entra Diogo Valente
60' CARTÃO AMARELO para Maxi Pereira (Benfica ) por falta sobre Saulo
57' A BOLA NÃO ENTRA!! INCRÍVEL!! Primeiro Nélson Oliveira, depois Maxi! A Académica fecha a porta da baliza!!
55' GRANDE DEFESA DE ARTUR MORAES!!! Bomba de Diogo Melo a uns bons 35 metros!!
54' SUBSTITUIÇÃO Benfica . Sai Nicolás Gaitán entra Nolito
53' BOLA NA BARRA DA BALIZA DA ACADÉMICA! Nélson Oliveira centra na direita e Flávio Ferreira faz o corte contra o ferro!!
52' Bem jogado por Nélson Oliveira! O passe isola Bruno César sobre a esquerda, o remate sai forte e ao lado!
50' Jorge Jesus chama Nolito
49' MAGIQUE FALHA O GOLO DA ACADÉMICA!! Bom centro de Saulo, Edinho não chega e Magique finaliza quase sem saber como. Artur defende sem problemas
47' Pontapé forte de Diogo Melo! Muito de longe e ao lado
46' NÉLSON OLIVEIRA AO LADO!! Que falhanço! O avançado isola-se e dispara, já em esforço, rente ao poste esquerdo!
46' RECOMEÇA A PARTIDA
46' SUBSTITUIÇÃO Benfica . Sai Matic entra Nélson Oliveira
45' INTERVALO NA PARTIDA ENTRE Académica e Benfica. Os encarnados tiveram duas boas oportunidades para marcar, os estudantes vão defendendo bem. Artur Moraes está a ter uma noite descansada
45' Um minuto de descontos
45' CARTÃO AMARELO para Matic (Benfica ) por falta sobre Hélder Cabral
43' Mal marcado o livre. Segue a partida
42' Falta a beneficiar o Benfica em zona perigosa
40' Adrien Silva remata por cima!! A Académica tenta de longe
36' CARTÃO AMARELO para Diogo Melo (Académica ) por falta sobre Aimar
34' O BENFICA VOLTA A AMEAÇAR!! Confusão na área, bola a chegar a Jardel e Reiner evita o golo! Matic, na insistência, atira por cima
31' A Académica susteve como pôde o melhor momento do Benfica no jogo. Agora tudo está mais calmo. Vamos ver até quando
28' Saulo trabalha bem na esquerda, mas cruza mal
27' Primeiro Peiser e depois Reiner Ferreira a oporem-se ao ataque do Benfica. A Académica não está a conseguir ter bola
25' O Benfica tem vindo a crescer no jogo. Nesta altura há mais Benfica no meio-campo dos estudantes
23' Bom pontapé de Maxi Pereira!! A bola sai a rasar a trave de Peiser
22' Reiner Ferreira opõe-se bem a Cardozo! O paraguaio ganhara posição na área
19' PABLO AIMAR PERTO DO GOLO!!! Maxi foge na direita e cruza para o cabeceamento do argentino! Peiser defende com a perna direita!
17' Jardel erra um passe, mas redime-se logo a seguir! Saulo ameaçava criar perigo
15' Peiser antecipa-se a Aimar! O passe de Gaitán era bom.
15' Jogo interessantíssimo até ao momento. Jogado olhos nos olhos
12' Bom lance do Benfica! Witsel abre em Bruno César, cruzamento e Cardozo chega atrasado!
10' Saulo cabeceia ao lado da baliza do Benfica!Centro largo de Cedric
9' Bruno César fica a pedir grande penalidade! A bola bate na parte superior do braço de Cedric, junto ao ombro. Lance de dúvida
5' Saviola e Nélson Oliveira já aquecem. Pode ter a ver com o problema de Axel Witsel
4' Início forte! E Witsel no chão a queixar-se de lesão.
1' COMEÇA A PARTIDA ENTRE Académica e Benfica
0' E depois há essa marca assinalável de 38 anos sem derrotas para as águias. A última vez que a Académica ganhou numa visita do Benfica foi a 9 de dezembro de 1973.
0' No histórico de confrontos, destaca-se a vantagem esmagadora dos encarnados em Coimbra. Num encontro que é um autêntico clássico (135 jogos, no total), o Benfica já venceu por 44 vezes em casa dos estudantes contra oito vitórias apenas da Briosa, havendo ainda 14 empates a registar.
0' O lateral Émerson tem quatro amarelos pelo que se vir mais um esta noite irá falhar a partida com o F.C. Porto¿
0' A Académica, que tem passado por sérias dificuldades no eixo da defesa, vai apresentar a nona dupla de centrais diferente esta época!
0' Uma curiosidade: Peiser vai completar hoje 50 jogos pela Académica, depois de ter recentemente ultrapassado a barreira dos 100 jogos, no total, na Liga. O guardião francês nunca falhou um jogo do campeonato com a camisola dos estudantes.
0' As bancadas começam a ficar compostas e o ambiente aquece... talvez umas cinco mil pessoas a meia-hora do apito inicial.
0' O líder não perdia para a Liga desde abril de 2011 mas foi obrigado a deixar três pontos no Minho. Coimbra tem sido talismã, será para a retoma?

0' Já os encarnados não perdiam pontos desde a 10ª jornada, na visita a Braga e vinham de 37 jogos consecutivos sempre a marcar até que chocaram, na última ronda, com um enorme sinal de STOP erigido pelo V. Guimarães.
0' A equipa desceu de um sexto lugar, que ocupou da 12ª à 14ª jornada, para o atual 10º posto. Para isso tem contribuído, sobremaneira, a falta de eficácia em casa, onde os estudantes não ganham para o campeonato desde 26 de setembro.
0' Um único triunfo (há mais de dois meses) nos últimos 13 jogos diz bem da crise que grassa em Coimbra.
0' O árbitro da partida será Hugo Miguel, de Lisboa, enquanto Hernâni Fernandes e Nuno Roque serão os auxiliares. O quarto árbitro é Bruno Esteves.
0' BENFICA: Artur; Maxi Pereira, Jardel, Garay e Emerson; Matic e Witsel; Gaitán, Aimar e Bruno César; Cardozo. SUPLENTES: Eduardo, Miguel Vítor, Javi Garcia, Nolito, Yannick Djaló, Saviola e Nélson Oliveira.
0' ACADÉMICA: Peiser; Cédric, Flávio Ferreira, Reiner Ferreira e Hélder Cabral; Diogo Melo; Adrien e Danilo; Magique, Edinho e Saulo. SUPLENTES: Ricardo, João Real, Hugo Morais, David Simão, Marinho, Rui Miguel e Diogo Valente.
0' Já há equipas oficiais!
0' Neste momento, para completar o possível banco, só faltará Eduardo e Saviola...
0' Chega agora... Javi Garcia e também se junta ao grupo. Será que o espanhol não vai jogar? Por enquanto, vai conversando com David Simão, ex-colega agora ao serviço da Académica.
0' Bruno César junta-se ao grupo dos potenciais suplentes esta noite...
0' Parece que o Nolito pode ser suplente esta noite. Pelo menos está ao lado dos suplentes, em fato de treino, na pista de tartã.
0' CONVOCADOS DO BENFICA: guarda-redes - Artur e Eduardo; defesas - Maxi Pereira, Garay, Miguel Vítor, Emerson, Jardel e André Almeida; médios - Javi Garcia, Gaitan, Witsel, Aimar, Nolito, Bruno César e Matic; avançados - Saviola, Nelson Oliveira, Rodrigo, Cardozo e Yannick Djaló.
0' A terceira novidade é André Almeida, sendo que, em relação ao jogo em Guimarães, fica também de fora Luís Martins.
0' De regresso às opções está também o central Jardel, que ficou de fora do último jogo por opção técnica, e deve mesmo ser titular no eixo da defesa devido à ausência, justamente, de Luisão.
0' O jogador, que falhou os últimos jogos devido a lesão, ainda está em dúvida o encontro, mas regressa às opções de Jorge Jesus, impedido de utilizar o castigado Luisão, que completou uma série de cartões amarelos.
0' O regresso de Javi Garcia é a novidade na lista de convocados do Benfica este encontro. Uma boa nova para Jorge Jesus, se atendermos ao facto que o elemento comum às três derrotas que a equipa tem esta época foi, justamente, a ausência do espanhol.
0' CONVOCADOS DA ACADÉMICA: guarda-redes - Peiser e Ricardo; defesas - Cédric, Reiner Ferreira, João Real e Hélder Cabral; médios - Flávio Ferreira, Diogo Melo, Adrien, Hugo Morais, David Simão e Danilo; avançados - Marinho, Saulo, Rui Miguel, Edinho, Magique e Diogo Valente.
0' Éder, como é sabido, enfrenta um processo disciplinar e, atualmente, até está em tratamento no departamento clínico dos estudantes, podendo vir a ser operado ao menisco.
0' A terceira alteração, em relação ao jogo da semana passada, na Choupana, vai para outra troca posicional, na frente, onde Rui Miguel volta às opções, por troca com o brasileiro Fábio Luís.
Por opção, continuam de fora Fábio Santos, João Dias, Mvom, Nivaldo e Willian Araújo, ao passo que Diogo Gomes e Orlando recuperam de cirurgias.

0' O maior destaque vai para o primeiro, que se lesionou diante do Beira Mar há três meses e não mais foi chamado. Quanto ao brasileiro, volta a ser convocado depois de ter ido para o banco, frente à Oliveirense, na Taça de Portugal.
0' Impedido de utilizar a dupla de centrais dos últimos jogos, composta por Abdoulaye e Habib, por ambos os jogadores estarem castigados, Pedro Emanuel substituiu-os na convocatória por outros dois centrais: João Real e Reiner Ferreira.
0' Este jogo poderá significar a maior enchente no Estádio Cidade de Coimbra esta época. Até ao momento, a assistência mais alta registou-se na primeira mão da meia-final da Taça de Portugal, frente à Oliveirense, com 14 357 espetadores.
0' Uma curiosidade: desde que Jorge Jesus se tornou treinador nunca perdeu um encontro do campeonato, em Coimbra, frente à Académica¿
0' Como tal, o objetivo para esta noite é regressar às vitórias para aumentar a distância, depois das derrotas em São Petersburgo e em Guimarães, na última jornada, que abrandaram a marcha da equipa da Luz.
0' Os encarnados têm agora uma vantagem mais curta (dois pontos) sobre o F.C. Porto na liderança da Liga mas recebem os arquirrivais na próxima jornada.
0' Está uma boa temperatura a esta hora, cerca de 14 graus, depois de um dia que foi bem quente para a altura do ano. Visto da bancada o relvado aparenta estar em ótimas condições numa altura em que começam a entrar as primeiras pessoas no estádio...
0' Boa tarde. Bem-vindos ao exame do Benfica em Coimbra antes do clássico da próxima sexta-feira! Os encarnados defronta a Académica a partir das 20h15, em jogo para acompanhar, ao vivo, no Maisfutebol. Fique ligado!

Árbitro

Hugo Miguel -  nota 3

Tribunal - O Jogo 

Momento mais complicado

58' - Aimar, em disputa com Flávio, cai na área da Académica e é assinalada falta do benfiquista. Correto?

Jorge Coroado
+
Aimar obstruiu Flávio, colocando-se na sua frente e procurando ganhar infração que não existiu.

Pedro Henriques
-
Lance de difícil análise e que só a televisão permite ver, mas Aimar é tocado no pé e derrubado por Flávio no interior da área. Era grande penalidade.

Paulo Paraty
-
Não é visível, pela televisão, qualquer falta de Aimar. É um facto que o jogador do Benfica pára de repente e acaba tocado no pé de apoio por Flávio.

Outros casos

8' - Cédric desvia a bola com o braço? Era lance passível de grande penalidade?

35' - Aimar estava em fora de jogo quando se isolava?

63' - Saulo estava em posição legal, quando o árbitro interrompe a partida para assinalar fora de jogo?

90+6' - Witsel é carregado em falta à entrada da área?

Jorge Coroado
-
Cédric, quando Bruno César cruzou, arqueou o braço esquerdo, ligeira e objetivamente, para ganhar espaço. Jogou a bola, cometendo grande penalidade.
-
Aimar estaria muito no limite da posição regular. Na dúvida, aqui aplicava-se a instrução da FIFA e... benefício ao atacante.
+
Uma situação muito próxima da referida sobre Aimar, mas com Saulo de facto ligeiramente adiantado.
-
No limite da área, mas no exterior, Witsel foi carregado em falta. Livre que não foi assinalado.

Pedro Henriques
+
O remate é de perto (bola inesperada), e Cédric não tem hipótese de evitar o contacto (bola no braço). Não há ação deliberada merecedora do assinalar de infração.
+
Lance no limite, mas aceito a indicação do árbitro assistente, pois Aimar estava ligeiramente adiantado em relação ao penúltimo adversário.
+
Fora de jogo corretamente assinalado, pois a cabeça e o tronco de Saulo estão adiantados em relação ao penúltimo adversário.
+
Embora sem acesso a nenhuma repetição, fica a ideia de que não houve infração alguma.

Paulo Paraty
-
Vistas na TV, a rotação e a posição do braço de Cédric vão na direção da bola. Lance sempre controverso, mas que me parece passível de punição.
-
Não temos o melhor ângulo, e o lance é muito difícil. Na dúvida, era preferível não interferir.
+
Fica-me a ideia de que Saulo tem o corpo adiantado em relação à linha do fora de jogo. Mas na dúvida (do assistente), era preferível não intervir.
+
Parece-me que é mais Witsel, em desespero, a procurar a falta do que uma situação para punição. Na dúvida, o árbitro fez bem em não interferir.

Apreciação global

Jorge Coroado - Jogo não muito movimentado, mas que se revelou algo confuso devido a alguns contactos físicos nem sempre bem ajuizados, revelando o árbitro alguma insegurança, apesar da tranquilidade exibida.

Pedro Henriques - O lance que só a televisão permite vislumbrar, ocorrido aos 58', acaba por marcar e prejudicar a atuação da equipa de arbitragem, que em tudo o resto foi positiva.

Paulo Paraty - Controversamente, e apesar das falhas que assinalei, pareceu-me um trabalho cuidado e atento que só merece alguma discussão devido a lances que apenas a TV permite esclarecer cabalmente.

Outros

Saulo e Danilo Cintra com traumatismos

O violento choque entre Saulo e Danilo Cintra no decorrer do embate da Académica com o Benfica deixou mazelas nos dois jogadores que tiveram de ser substituídos já perto do final do jogo que terminou sem golos.

Saulo sofreu um «traumatismo facial», enquanto Danilo teve «um traumatismo no couro cabeludo», sem lesão neurológica, mas com necessidade de sutura», explicou o departamento médico dos estudantes.

25 de fevereiro de 2012

2011/12 - 20J - Académica - Benfica: Antevisão

O Momento

Académica:


Um único triunfo (há mais de dois meses) nos últimos 13 jogos diz bem da crise que grassa em Coimbra. A equipa desceu de um sexto lugar, que ocupou da 12ª à 14ª jornada, para o atual 10º posto. Para isso tem contribuído, sobremaneira, a falta de eficácia em casa, onde os estudantes não ganham para o campeonato desde 26 de setembro.

Benfica:

Os encarnados não perdiam pontos desde a 10ª jornada, na visita a Braga e vinham de 37 jogos consecutivos sempre a marcar até que chocaram, na última ronda, com um enorme sinal de STOP erigido pelo V. Guimarães. O líder não perdia para a Liga desde abril de 2011 mas foi obrigado a deixar três pontos no Minho. Coimbra tem sido talismã, será para a retoma?

Ausências:

Académica: Orlando e Diogo Gomes, lesionados; Éder, suspenso pelo clube.

Benfica: Luisão, castigado.

Discurso direto:

Pedro Emanuel: «Qualquer grande é sempre motivante. O plantel e os objetivos não se compararam, daí que são estes jogos que os jogadores melhor encaram em termos de margem de erro. Nada melhor que o Benfica para nos motivar. Jogamos em casa, e vamos tentar que a nossa motivação se sobreponha à vontade e determinação do Benfica em voltar às vitórias.»

Jorge Jesus: «Há semanas tinha dito que o Porto e o Benfica iriam jogar com outros adversários, se calhar iam perder pontos, e perderam. As contas que temos de fazer é que amanhã [este sábado] vamos partir para o jogo da Académica líderes do campeonato com dois pontos de avanço e para mantermos essa liderança temos de ganhar.»

Histórico de confrontos:

Vantagem esmagadora dos encarnados em Coimbra. Num encontro que é um autêntico clássico (135 jogos, no total), o Benfica já venceu por 44 vezes em casa dos estudantes contra oito vitórias apenas da Briosa, havendo ainda 14 empates a registar. E depois há essa marca assinalável de 38 anos sem derrotas para as águias. A última vez que a Académica ganhou numa visita do Benfica foi a 9 de dezembro de 1973.

Equipas prováveis:

ACADÉMICA: Peiser; Cédric, Flávio Ferreira, João Real e Hélder Cabral; Diogo Melo; Adrien e Danilo; Marinho, Edinho e Saulo.

Outros convocados: Ricardo, Reiner Ferreira, Hugo Morais, Diogo Simão, Magique, Rui Miguel e Diogo Valente.

BENFICA: Artur; Maxi Pereira, Jardel, Garay e Emerson; Javi Garcia e Witsel; Gaitán, Aimar e Nolito; Cardozo.

Outros convocados: Eduardo, Miguel Vítor, Bruno César, Matic, André Almeida, Yannick Djaló, Saviola, Nélson Oliveira e Rodrigo.

2011/12 - 20J - Académica - Benfica: Convocados: Real de volta três meses depois

Impedido de utilizar a dupla de centrais dos últimos jogos, composta por Abdoulaye e Habib, por ambos os jogadores estarem castigados, Pedro Emanuel substituiu-os na convocatória para o jogo deste sábado, frente ao Benfica, por outros dois centrais: João Real e Reiner Ferreira.

O maior destaque vai para o primeiro, que se lesionou diante do Beira Mar há três meses e não mais foi chamado.Quanto ao brasileiro, volta a ser convocado depois de ter ido para o banco, frente à Oliveirense, na Taça de Portugal.

A terceira alteração, em relação ao jogo da semana passada, na Choupana, vai para outra troca posicional, na frente, onde Rui Miguel volta às opções, por troca com o brasileiro Fábio Luís.

Por opção, continuam de fora Fábio Santos, João Dias, Mvom, Nivaldo e Willian Araújo, ao passo que Diogo Gomes e Orlando recuperam de cirurgias.

Éder, como é sabido, enfrenta um processo disciplinar e, atualmente, até está em tratamento no departamento clínico dos estudantes, podendo vir a ser operado ao menisco.

Lista de convocados:

Guarda-redes: Peiser e Ricardo;
Defesas: Cédric, Reiner Ferreira, João Real e Hélder Cabral;
Médios: Flávio Ferreira, Diogo Melo, Adrien, Hugo Morais, David Simão e Danilo;
Avançados: Marinho, Saulo, Rui Miguel, Edinho, Magique e Diogo Valente.

24 de fevereiro de 2012

Pedro Emanuel: «Benfica é ofensivo mas também se expõe»

Coimbra volta a entrar na rota dos jogos grandes este sábado com a visita do Benfica a um local onde não perde há 38 anos. A Académica poderá, desta forma, ser uma equipa com perfil para servir aos interesses dos encarnados na procura da redenção depois de duas derrotas consecutivas. Um cenário que os comandados de Pedro Emanuel querem, naturalmente, contrariar:

«É uma equipa grande, que luta por objetivos máximos, e virá aqui com tudo, porque quer limpar a imagem. Até pelo ciclo de jogos difíceis que atravessa, quer voltar às vitórias. Sabemos disso e vamos estar preparados para lutar e dignificar camisola da Académica», promete o jovem técnico, na antevisão da partida.

«O Benfica pratica um futebol agradável e ofensivo, mas também tem alguma exposição defensiva. Isso acaba por proporcionar espetáculo, porque os adversários conseguem ter oportunidades. Estaremos prontos para tentar surpreender esse pendor ofensivo», avisa, consciente, ainda assim, do mau momento da Briosa, que não vence em casa para a Liga há cinco meses:

«Temos capacidade para trabalhar de forma diferente. Não estou desiludido com os jogadores mas com a equipa. Agora, cada um tem de analisar aquilo que fez, tal como eu faço a minha auto crítica. Temos de ser melhores do que temos sido, nomeadamente no último jogo, na Madeira.»

Não há melhor para motivar

Pedro Emanuel recusa-se a considerar que o Benfica vem em má altura, pese a crise de resultados, pois acredita que ter um adversário assim pode, justamente, ser a melhor fonte de inspiração.

«Qualquer grande é sempre motivante. O plantel e os objetivos não se compararam, daí que são estes jogos que os jogadores melhor encaram em termos de margem de erro. Nada melhor que o Benfica para nos motivar. Jogamos em casa, e vamos tentar que a nossa motivação se sobreponha à vontade e determinação do Benfica em voltar às vitórias», contrapõe.

«O Benfica não perde aqui há 38 anos? Só com conquistas se faz história... ou pela negativa, mas é essa sequência não muito lógica da equipa que queremos inverter. Sabemos os feitos do passado recente, como sabemos o mau que fizemos. Temos essa avaliação apurada, sabemos o que correu bem e mal, só nos resta ir de novo à procura dos pontos, para conseguirmos a manutenção», complementa, de forma pragmática.

É essa visão fria e desprendida que o técnico utiliza também para falar da eventual «ajuda» que poderá dar ao F.C. Porto, na questão do título: «Estamos todos concentrados, única e simplesmente, no nosso objetivo principal que é a manutenção, ir buscar pontos, independentemente de ajudar A ou B. Nesta jornada poderemos ajudar uma equipa, na próxima será outra.»

«As derrotas abalam sempre...»

O treinador da Académica sabe, por experiência própria, que a confiança do adversário sai sempre afetada quando não ganha. Pode ser um aspeto a explorar para tentar imitar, por exemplo, o V. Guimarães?

«O estado do relvado não permitiu ver muita coisa mas os princípios condutores estavam lá. É lógico que sabemos a forma de jogar deles e vamos tentar contrariar todo esse favoritismo, apesar de virem de resultados negativos. As derrotas abalam sempre...»

Para quem faz da luta pelos pontos uma meta crucial, o empate, diz o técnico, pode servir perfeitamente: «Entramos em qualquer campo para disputar o jogo e temos a exata noção da qualidade do Benfica. Depois de disputado o encontro, no entanto, até poderemos dizer que será um ponto de ouro, atendendo à fase que atravessamos.»
_____________________

Um Benfica de orgulho ferido. É aquilo que Pedro Emanuel espera, amanhã à noite, quando a Académica receber a visita do líder isolado da Liga ZON Sagres. As duas derrotas consecutivas sofridas pelos comandados de Jorge Jesus (Zenit e V. Guimarães) "abalam sempre" no entender do treinador da Briosa, que não tem dúvidas de que o adversário "vem com tudo" até pelo "ciclo que está a atravessar". Emanuel deixou elogios aos encarnados - "praticam um futebol agradável, extremamente ofensivo, com processos bem definidos" -, mas está apostado "em surpreender" tentando explorar "alguma exposição em termos defensivos" que o adversário costuma patentear - "as equipas que jogam contra o Benfica têm sempre algumas oportunidades de golo", disse a propósito. E se a vitória será sempre o objetivo principal dos estudantes, o mister acredita que "depois do jogo até se pode dizer que um ponto poderá ser de ouro", ainda por cima "tendo em conta a fase em que a equipa se apresenta". De qualquer modo, um triunfo sobre o Benfica servirá sempre para terminar com uma maldição com 38 anos, período durante o qual os academistas nunca conseguiram derrotar o opositor da ronda 20. "Logicamente só com conquistas podemos fazer história. Temos consciência daqueles que foram os nossos feitos nos últimos tempos, mas também o que muito mau fizemos num passado recente", disse.

2011/12 - 20J - Académica - Benfica: Árbitro: Hugo Miguel

O lisboeta Hugo Miguel foi designado para dirigir, no sábado, o encontro Académica-Benfica, um dos mais importantes da 20.ª jornada da Liga Zon Sagres, anunciou o Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

Para o embate entre o FC Porto, segundo classificado da Liga a dois pontos do comandante Benfica, e o Feirense, a ser disputado no domingo no Dragão, foi escolhido o setubalense João Ferreira.

Árbitros da 20.ª jornada:

Sexta-feira, 24 fevereiro:
Marítimo -- União Leiria, Jorge Tavares (Aveiro).

Sábado, 25 fevereiro:
Académica -- Benfica, Hugo Miguel (Lisboa).

Domingo, 26 fevereiro:
Paços Ferreira -- Nacional, Olegário Benquerença (Leiria).
Beira-Mar -- Vitória Setúbal, Rui Costa (Porto).
Olhanense -- Gil Vicente, Duarte Gomes (Lisboa).
Sporting -- Rio Ave, Paulo Baptista (Portalegre).
FC Porto -- Feirense, João Ferreira (Setúbal).

Segunda-feira, 27 fevereiro:
Sporting Braga -- Vitória Guimarães, João Capela (Lisboa).

23 de fevereiro de 2012

Processo a Éder sem despedimento

A saída para o caso Éder não passará pelo despedimento do jogador da Académica. O JOGO apurou que o instrutor nomeado pelo departamento jurídico do clube já terá elaborado a nota de culpa resultante do processo disciplinar que foi instaurado a 1 de Fevereiro e a mesma apontará para a suspensão do ponta de lança, que poderá, na pior das hipóteses, ficar 60 dias afastado, com perda de vencimento, não havendo lugar ao pagamento de multa. Está assim posta de parte a possibilidade de a Briosa avançar para a rescisão unilateral do contrato. Seja como for, independentemente da sanção proposta pelo instrutor qualquer decisão nesse sentido só ficará definida depois de o jogador apresentar a respetiva defesa, nos termos legais, o que terá de acontecer num prazo de 15 dias a contar da data da receção da nota de culpa.

Recorde-se que Éder é acusado de ter abandonado as negociações com vista a uma transferência para os ingleses do West Ham na noite de 28 de Janeiro, após o jogo com o Rio Ave, tendo posteriormente faltado aos dois primeiros treinos da semana - por temer pela integridade física, alegou -, motivos que o clube entendeu serem suficientes para a abertura de um processo disciplinar. De resto, este caso já levou mesmo à intervenção da Polícia Judiciária, na sequência de uma queixa apresentada pelos estudantes por alegado aliciamento ilegal por parte de empresários de futebol, e poderá ter ainda novos desenvolvimentos, com queixas à FIFA ou mesmo nos tribunais civis.

Certo é que seja qual for o desfecho do processo disciplinar, o jogador ficará autorizado a continuar a fazer os tratamentos à lesão no joelho esquerdo contraída no jogo com o Rio Ave, sendo que, conforme O JOGO adiantou na edição de sábado, não estará descartada a possibilidade de ser operado ao menisco. Ao cabo de quatro temporadas em Coimbra, Éder está em final de contrato e é seguro que não continuará na Académica.

2011/12 - 20J - Académica - Benfica: Preço do bilhetes

Já são conhecidos os preços dos bilhetes para o jogo entre a Académica e o Benfica, da 20ª jornada da Liga ZON Sagres, um encontro agendado para o dia 25 de Fevereiro, pelas 20:15, em Coimbra.

A Académica quer voltar a conquistar os três pontos no Estádio EFAPEL Cidade de Coimbra de modo a subir na tabela classificativa.

Tal como já referiu várias vezes Pedro Emanuel, a Briosa quer construir uma fortaleza na cidade dos "estudantes" e você é uma parte essencial nesse processo!




Os preços dos ingressos para o Académica vs Benfica já são conhecidos, sendo que o jogo não está incluído no Pack 10 Jogos.

Refira-se que os sócios que não são portadores de bilhete de época poderão assistir ao duelo entre a Académica e os encarnados por 15 euros. Confira a tabela abaixo publicada onde pode consultar o preçário para o jogo da 20ª jornada!

Se ainda não é portador de bilhete de época, consulte aqui todas as informações! Sempre Juntos, Sempre Presentes!

Como já percebeu, ser Sócio da Briosa, para além de ser um orgulho, garante-lhe também vantagens enormes no que respeita às condições que lhe são proporcionadas para ver os "estudantes" em acção. Ser sócio da Académica torna tudo mais fácil e económico! Se ainda não é, não perca tempo e torne-se já hoje associado da mágica Briosa carregando aqui.


Pode adquirir o seu bilhete na Loja do Sócio, no Estádio EFAPEL Cidade de Coimbra, entre as 10:00 e as 18:00. No dia do jogo, o espaço estará naturalmente aberto.

Não fique em casa e apoie a Briosa do princípio ao fim. A sua presença é fundamental até porque todos juntos somos mais fortes!!!

Força Académica!

22 de fevereiro de 2012

Saulo quer ajudar a Briosa a fazer História

O jogo com o Benfica está agendado já para o próximo sábado e o extremo brasileiro Saulo esteve esta quarta-feira na Sala de Imprensa da Academia Dolce Vita onde fez a antevisão da partida com os encarnados.

O número 82 da Académica lembrou que do outro lado estará uma equipa que luta pelo título mas, a jogar em casa, a Briosa vai tentar somar os três pontos. O favoritismo, contudo, pertence ao Benfica. 


“O Benfica está a jogar um belíssimo futebol, não é à toa que está em primeiro. O jogo que perderam em Guimarães só lhes vai dar mais força porque só pensam em ganhar. Temos os nossos objectivos, eles lutam pelo título. Vamos trabalhar, com humildade mas sabemos que o favoritismo é do Benfica.”, começou por dizer.

E que armas tem a Académica? Saulo sabe que o colectivo dos “estudantes” é forte e fala… em fazer História.

"A arma da Académica é o colectivo. Estamos a passar por um momento menos bom mas cada jogo tem uma história. Queremos mudar esta situação e tentar ganhar, independentemente do adversário. Todas as equipas passam por momentos bons e momentos maus. Jogar com o Benfica dá sempre motivação. Vamos tentar fazer História mais uma vez, vencendo o Benfica em casa. No futebol não há imbatíveis. Queremos sair exaustos no final do jogo e com o sentimento de dever cumprido.”, confidenciou.

Saulo estreou-se a titular na Académica na última jornada, na Madeira, frente ao Nacional, e prometeu trabalho para ajudar a Briosa a atingir os seus objectivos.

“Titular? Cheguei agora, lutamos todos os dias para jogar. Fui bem recebido, temos um grande plantel e temos de dar o máximo. Se o mister achar que devo jogar, vou dar o meu melhor e fazer os possíveis para ajudar a Académica a ganhar. Empate com o Benfica? É melhor somar do que sumir… Vamos tentar somar, mas sabemos que o Benfica luta para ser campeão. Se for empate, será bom para nós.”, terminou.

Diogo Ribeiro a caminho do Nice?

20 de fevereiro de 2012

2011/12 - 19J - Nacional 4 - Académica 1: Resumo

2011/12 - 19J - Nacional 4 - Académica 1: Briosa continua a afundar-se; Nacional vingou-se


nº espectadores: 1269
nota o Árbitro Rui Silva: 3
melhor do Nacional: Keita
melhor da Briosa: Edinho

Crónica

AAC-OAF: A Académica perdeu este domingo com o Nacional da Madeira por 4-1 em partida que contou para a 19ª jornada da Liga ZON Sagres. O encontro, disputado na Choupana, começou praticamente com o golo dos insulares que, aos 4 minutos, já faziam a festa.

O senegalês Keita era um quebra-cabeças para a defensiva dos "estudantes" e ainda antes do intervalo viria a fazer o 2-0. Pelo meio, a Briosa ainda ameaçava a baliza defendida por Vladan mas era definitivamente um dia não para os comandados de Pedro Emanuel.

A etapa complementar trouxe novo golo do Nacional, logo no primeiro minuto após o reatamento, mas nem assim a Académica desistiu de reentrar na partida. Edinho marcou à passagem do minuto 68 e voltou a dar esperanças à Briosa mas a expulsão de Abdoulaye, a cerca de dez minutos do fim, e o quarto golo do Nacional, já perto do minuto 90, hipotecaram as esperanças da equipa de Coimbra.

Nota de destaque para as bancadas do Estádio da Madeira, onde estavam algumas dezenas de adeptos da Briosa, com a Mancha Negra mais uma vez a marcar presença e a apoiar a equipa do princípio ao fim.

O JOGO: O Nacional venceu ontem a Académica na Choupana, num desafio em que teve a felicidade de marcar na fase inicial, antes do intervalo e logo depois do início da segunda metade. Uma mistura mortal para uma Académica irreconhecível na primeira parte, sem chama, e que nunca criou perigo para Vladan, apesar de ter tido mais posse de bola e algum controlo dos acontecimentos. Com um início diabólico e sempre em alta rotação, a equipa de Pedro Caixinha disse logo ao que vinha e o madrugador golo de Keita trouxe-lhe outra estabilidade. O Nacional foi, pois, imprimindo o seu jogo com acutilância e sempre na procura da baliza contrária. Por seu turno, a Académica pareceu acusar a desvantagem e não conseguiu fazer as transições ofensivas com a clarividência aconselhável, limitando-se a criar perigo nos lances de bola parada. O pior veio aos 35 minutos, quando Abdoulaye perdeu de forma infantil, e em zona proibida, a bola para Mateus, que, com apenas Peiser pela frente, endossou o esférico a Keita para este ampliar a vantagem madeirense. Foi um lance capital, mesmo sobre o intervalo!

Logo após o reinício, Skolnik ofereceu a Candeias o terceiro golo e tudo ficou definido. O conjunto de Pedro Emanuel melhorou com a entrada de Diogo Valente e David Simão, ainda reduziu a desvantagem, mas tardiamente para alterar o destino. Abdoulaye perdeu então a cabeça e no espaço de três minutos cometeu uma grande penalidade - falhada por Claudemir - e agrediu Rondón, o que lhe valeu a expulsão. E foi o luso-venezuelano que fechou a contagem mesmo sobre o apito final.

MF: O Nacional vingou-se na mesma moeda. Na primeira volta, os madeirenses perderam em Coimbra por 4-0. Este domingo, marcou cedo e abriu caminho para a vitória mais robusta dos alvinegros que desta forma ultrapassaram a Académica na tabela classificativa. Os estudantes já não vencem há sete jornadas na Liga. E com uma defesa assim, é missão quase impossível...

Pedro Caixinha apostou em Keita para a frente do ataque e ganhou essa aposta. Foi este jogador que deu vantagem aos madeirenses por 2-0, sendo o autor dos golos do Nacional, perante uma Académica que surgiu na Choupana com a estreia de Saulo e de Edinho no onze, mas que se mostrou muito frágil em termos defensivos.

E para quem precisava de vencer, nada melhor do que começar a marcar bem cedo. Os madeirenses marcaram logo aos quatro minutos, numa grande desatenção da defesa de Coimbra que viu Neto cabecear sozinho e dessa forma assistir Keita que quase em cima da linha de baliza fez o 1-0.

Sem conseguir reagir, os estudantes mostravam-se pouco concentrados e Mateus aos 22 minutos poderia ter feito o 2-0, mas valeu o corte oportuno de Cedric. O desnorte dos visitantes era evidente na defesa e até em termos ofensivos, onde Edinho também não acertava com a baliza.

Mateus, a figura que alimentou a goleada

Peiser quase comprometia ao oferecer a bola a Candeias, só que este não a passou a ninguém e acabou por falhar o remate, fazendo quase um passe para as mãos do guarda-redes da Académica. Assim, foi com naturalidade que os locais chegaram novamente ao golo aos 35 minutos, em mais uma falha da defesa visitante: Abdoulaye e Flávio perderam para Mateus e este ofereceu o segundo golo da partida a Keita.

A resposta do conjunto de Pedro Emanuel poderia ter acontecido por Edinho aos 39 minutos, mas o avançado à boca da baliza falhou o remate. Até ao intervalo seria Peiser a brilhar outra vez com uma grande defesa a remate de Skolnik. Os pupilos de Caixinha dominavam e venciam com justiça.

Recomeçar a marcar

Pedro Emanuel mexeu na sua equipa ao intervalo, lançando Diogo Valente e retirando Marinho. Mas nem teve tempo para ver se a sua equipa acordava. Logo ao minuto 46, Candeias fez o 3-0, em mais uma falha de marcação A Académica estava apática e aos 49 minutos os locais falharam o 4-0 após um bom passe de Candeias.

O mesmo Candeias, aliás, obrigou Peiser a mais uma defesa apertada para canto. Os estudantes estavam perdidos e só dava Nacional!

Contra a corrente do jogo, os homens de Coimbra reduziram aos 69 minutos por Edinho que aproveitou bem o canto apontado por Diogo Valente e cabeceou sozinho sem hipótese para Vladan. A turma visitante ganhou um novo alento.

Num lance em que Mateus conseguiu recuperar uma bola e provocar uma grande penalidade, por falta de Abdoulaye, mas Claudemir não conseguir marcar o penalty, naquela que foi a sua primeira grande penalidade falhada este ano.

Para complicar a vida, a formação estudantil viu Abdoulaye ser expulso por uma suposta agressão a Mário Rondon aos 82 minutos. E tudo ficou ainda mais difícil para a equipa de Pedro Emanuel.

Uma vez mais em contra-ataque, Mateus levou a melhor sobre a defesa dos estudantes e ofereceu a Rondon o 4-1 com o ponta-de-lança a marcar com alguma sorte. Foi o ponto final de uma partida, onde os pupilos de Caixinha foram sem dúvida melhores.

Opiniões

Pedro Emanuel, treinador da Académica, em declarações no final da derrota na Madeira por 4-0, com o Nacional:

(Este resultado confirma o momento menos bom da Académica?) «Naturalmente, com um resultado tão expressivo, não há volta a dar. O momento menos bom é real, mas nas perspectivas que temos para o campeonato, estamos dentro do delineado. Se quiser falar do jogo, posso dizer que vínhamos com vontade e determinação de disputar a vitória.

Mas sofremos um golo aos quatro minutos, o que condiciona a estratégia. Tentámos equilibrar, mas sofremos o segundo golo no final da primeira parte e o terceiro no início do segundo tempo, uma grande penalidade e uma expulsão... Tentámos entrar no jogo e fizemos o 3-1, mas logo a seguir sofremos o quarto golo.

São 3 pontos perdidos, é normal que a equipa se sinta algo fragilizada. Temos uma solução: trabalhar e quem quiser acreditar no que está a fazer, estarei cá para ajudar. Acredito no que fazemos diariamente, embora os resultados não correspondam às nossas exibições. Mas isto é o futebol e temos de viver com isso».

(Ainda não conseguiu vencer na Liga em 2012...) «Vencemos na meia-final da Taça de Portugal. Mas isto é a realidade da competitividade do nosso campeonato. Vínhamos até de uma sequência positiva fora de casa, mas quando entramos em campo e logo aos três minutos estamos a perder, isso condiciona-nos de forma natural».

(Está a chamar a atenção a alguns jogadores?) «Não. É uma chamada de atenção geral e eu estou incluído nisso. Mantenho a confiança neste grupo de trabalho desde o início. Eles não desaprenderam de jogar, nem perderam qualidades. Mas a questão é mental e no acreditar no que fazemos. Eu transmito isso aos meus atletas e eles sabem que eu acredito. Mas quem tiver disponibilidade, este é o momento certo para o demonstrar pois o grupo necessita. É um bom grupo, que trabalha, e vamos tentar inverter esta situação».

Pedro Caixinha, treinador do Nacional, em declarações no final da vitória por 4-1 sobre a Académica:

(Hoje queria mais golos?) «Não. Não podemos ser exuberantes no momento da vitória e completamente derrotistas nas derrotas. Temos de ser equilibrados. Hoje queríamos essencialmente ganhar. O jogo pode aparentemente ter parecido fácil, mas nós é que o tornámos mais fácil. Fizemos os golos nos momentos certos: à entrada do jogo, ao finalizar a primeira parte e no recomeço da segunda parte. Mas a equipa fez muito por isso, sendo isso que quero louvar. A equipa trabalhou muito e sabia a importância desta vitória. Se foi por mais ou menos golos, os senhores viram, e até falhámos uma grande penalidade, mas não nos preocupa isso, mas sim a confiança que esta vitória nos vem dar em termos de futuro».

(Mais motivados agora?) «A confiança e a motivação só se adquirem pelas vitórias. Foi isso que quisemos e conseguimos».

(Tem-se queixado do problema da finalização, hoje descobriu o rumo certo?) «Não me tenho queixado da finalização. O problema para mim seria o Nacional não conseguir criar situações de golo. Nós sempre as tivemos e não é uma por jogo. Hoje, em termos de eficácia, foi superior aos jogos anteriores, para além de marcarmos nos momentos certos. Hoje ganhámos a uma grande equipa e que lutou sempre até ao fim».

(Ao longo do jogo passou-lhe pela cabeça que esta podia ser a final da Taça de Portugal?) «Ao longo do jogo não, mas no final quando cumprimentei o Pedro Emanuel, disse-lhe: esta poderia ter sido a final da Taça de Portugal, não falando no resultado. O resto fica para mim...»

Destaques

Figura: Mateus, o irrequieto

O avançado angolano foi um dos melhores nos nacionalistas. A sua velocidade deu que fazer à defesa academista. Para além disso, roubou uma bola que lhe permitiu oferecer a Keita o segundo golo. Não esteve certeiro no remate, pois também podia e devia ter marcado. Para culminar uma excelente actuação, provocou uma grande penalidade e ofereceu um golo a Rondon.

Momento: marcar cedo dá confiança

O Nacional precisava de ganhar. Nada melhor, por isso, do que começar a marcar bem cedo. Logo aos quatro minutos, os madeirenses colocaram-se em vantagem por intermédio de Keita e isso deu tranquilidade, dentro e fora do relvado.

Outros destaques

Keita estreia-se a marcar

Pedro Caixinha apostou neste avançado e acertou em cheio. Keita fez dois golos logo nos primeiros 45 minutos, mostrando-se oportuno, estando no sitio certo, na hora certa. E que pedir mais a um goleador

Candeias: o suspeito do costume

Já é normal ser um dos grandes dinamizadores do ataque nacionalista. Candeias na ala direita vai brilhando e conseguindo bons lances, bons cruzamentos. Só que por vezes deslumbra-se, como foi o caso de ter roubado a bola a Peiser e depois querer fazer um golo de ângulo impossível e falhar o remate. Mas redimiu-se ao fazer o 3-0, num excelente remate.

Skolnik, a formiguinha

É um dos trabalhadores alvinegros. Skolnik corre quilómetros na ajuda à defesa e esteve em destaque também em termos ofensivos, construindo muitos lances. É dele o cruzamento para o terceiro golo por Candeias. Ainda viu Peiser negar-lhe um golaço.

Edinho, o mais inconformado

Se na primeira parte, Edinho não conseguiu acertar com a baliza, no segundo tempo o avançado conseguiu mesmo marcar. E mereceu, pois foi sempre o mais inconformado na equipa de Coimbra.

Diogo Valente ainda mexeu

O extremo esquerdo ainda deu um ar da sua graça ao ataque da Académica e mexeu com o seu flanco esquerdo. Foi dele o canto que deu origem ao golo da turma de Coimbra. Diogo Valente mostrou que tem argumentos para ser titular.

Cédric - Sem comprometer nos processos defensivos, nos quais teve serviço dobrado devido à falta de apoio de Marinho. Procurou ainda ajudar no ataque.

Flávio Ferreira - Regressou à titularidade e não comprometeu. Esteve sempre atento, mas sentiu a falta de um companheiro no eixo. Ontem faltou Abdoulaye.

Adrien - ogador com futebol perfumado, sobretudo no segundo tempo. Criou algum perigo em lances de bola parada e desenhou as melhores jogadas da equipa.

Edinho - Marcou um golo de belo efeito num excelente golpe de cabeça. Falhou outra boa oportunidade, mas esforçou-se e criou problemas à defensiva madeirense.

Diogo Valente - 6 - Deu outra profundidade à equipa, sempre num estilo vertical e objectivo. Apontou o pontapé de canto que originou o único golo da Briosa.

Minuto a minuto 

90' FINAL DO JOGO! Nacional - 4 Académica - 1!! Vitória do Nacional, naquele que é o triunfo mais robusto dos alvinegros este ano em sua casa. A Académica continua sem vencer em 2012 e com uma defesa destas, é quase missão impossível!!
90' Vão jogar-se mais três minutos.
89' Está sentenciada a partida e o Nacional vinga a goleada da primeira volta, pois perdeu em Coimbra por 4-0!
89' GOOOOOOOLLLLLOOOOOOO!!! NACIONAL ! 4-1 por Mario Rondon!! Contra-ataque com Mateus a levar a melhor em velocidade e a cruzar rasteiro para Rondon e este remata contra Peiser mas a bola bate de novo em si e encaminha-se para a baliza deserta!
88' SUBSTITUIÇÃO Nacional . Sai Skolnik entra Elizeu
86' CARTÃO AMARELO para Skolnik (Nacional ), por falta sobre David Simão! Os ânimos aquecem dentro do relvado, entre Candeias e Edinho!!
84' CARTÃO VERMELHO para Abdoulaye Ba (Académica )!! O central vê o vermelho directo por agressão a Mário Rondon, considera o árbitro Rui Silva.
81' PENALTY FALHADO por Claudemir (Nacional )!! O lateral atirou ao lado!!
81' CARTÃO AMARELO para Abdoulaye Ba (Académica ), pela falta do penalty!!
81' PENALTY ASSINALADO contra Académica!! Mateus ganhou a bola a David Simão foi por ali fora até entrar na área e ser derrubado por Abdoulaye!!
79' Livre de Diogo Valente e Saulo cabeceia ao lado!!
77' SUBSTITUIÇÃO Académica . Sai Habib entra Fábio Luís
72' SUBSTITUIÇÃO Nacional . Sai Keita entra Mario Rondon
70' GOOOOOOOLLLLLOOOOOOO!!! ACADÉMICA ! 3-1 por Edinho!! Canto na esquerda de Diogo Valente, Edinho cabeceia sozinho e bate Vladan!
61' CARTÃO AMARELO para Habib (Académica )
60' SUBSTITUIÇÃO Académica . Sai Danilo entra David Simão
57' SUBSTITUIÇÃO Nacional . Sai Juliano entra João Aurélio
55' CARTÃO AMARELO para Juliano (Nacional ), por falta sobre Cedric!
53' Mais um grande remate de Candeias e Peiser desvia para canto!
50' A Académica já vai em sete jogos sem vencer na I liga. Em 2012, o melhor que os estudantes conseguiram foram empates!
47' Que perdida de Mateus! Assistência de Candeias que cruza rasteiro, mas Mateus remata muito por alto!!
46' RECOMEÇA A PARTIDA
46' GOOOOOOOLLLLLOOOOOOO!!! NACIONAL ! 3-0 por Candeias!! Cruzamento de Skolnik na esquerda e Candeias no lado oposto enche o pé e bate Peiser!! A defesa da Académica continua um desastre!!
46' SUBSTITUIÇÃO Académica . Sai Marinho entra Diogo Valente
45' INTERVALO NA PARTIDA ENTRE Nacional e Académica!! Vantagem justíssima do Nacional que domina a partida perante uma Académica muito frágil em termos defensivos!!
44' CARTÃO AMARELO para Flávio Ferreira (Académica ), por derrube a Mateus.
44' Que defesa de Peiser par canto! Grande tiro de Skolnik após passe de Keita, mas o guarda-redes da Académica opôs-se bem!!
40' Remate de Juliano mas por alto após um canto de Candeias na direita e com Peiser a afstar para a frente e ninguém a aliviar da sua defesa!
39' Que perdida de Edinho!!! O avançado da Académica só com Vladan pela frente remata muito torto!! Devia ter feito golo o avançado: surgiu sozinho nas costas da defesa nacionalista!!
39' GOOOOOOOLLLLLOOOOOOO!!! NACIONAL ! 2-0 por Keita!! Mateus rouba uma bola e isola-se em velocidade e finta Peiser, oferecendo o golo a Keita, que tinha a baliza à sua frente e sem ninguém, limitando-se a empurrar para a baliza!!
33' CARTÃO AMARELO para Claudemir (Nacional )!!
30' Que perdida para Candeias!! Peiser tentou fintar Candeias e este roubou-lhe a bola mas depois não passou a ninguém e fez quase um passe para as mãos de Peiser!!
29' Crzuamento de Cedric mas Edinho cabeceia muito mal!
22' MUITO PERIGO PARA A BALIZA DA ACADÉMICA!! Cruzamento de Candeias rasteiro, Peiser afasta e remate de Mateus mas Cedric evita o golo e corta para canto! Esteve à vista do 2-0!!
19' Remate de Mateus para defesa segura de Peiser!!
15' Responde o Nacional!! Cruzamento de Candeias da direita e finalização de cabeça de Keita para defesa de Peiser!
13' Outra vez a Académica!! Canto da esquerda e cabeçada de Edinho ao lado com perigo!
11' Livre de Cedric que Vladan não agarra, largando a bola! Claudemir acaba por ceder canto!!
7' Os adeptos nacionalistas tentam-se proteger da chuva e mudam de lugares na bancada velha da Choupana!
4' GOOOOOOOLLLLLOOOOOOO!!! NACIONAL ! 1-0 por Keita!! A jogada começou num livre apontado por Candeias da esquerda, Neto assiste de cabeça Keita que quase em cima da linha de golo se limita a empurrar para a baliza deserta!!!
2' Cruzamento na direita de Candeias e Peiser afasta a soco com Keita por perto!
1' COMEÇA A PARTIDA ENTRE Nacional e Académica. Saiu a Académica com a bola.
0' As três equipas estão de volta ao relvado, perante os aplausos dois adeptos da casa
0' As equipas recolheram aos balneários. Dentro em breve regressam para se começar o jogo.
0' Começa a chove na Choupana!!
0' As equipas já aquecem, n um estádio que continua quase sem público nas bancadas!
0' ACADÉMICA: Peiser, Cedric, Pape Sow, Abdoulaye e Hélder Cabral; Flávio, Adrien e Danilo; Marinho, Edinho e Saulo. Suplentes: Ricardo, Hugo Morais, Fábio Luís, Magique, David Simão, Diogo Valente e Diogo Melo.
0' ACIONAL: Vladan, Claudemir, Neto, Danielson e Marçal; Todorovic, Juliano e Skolnik; Candeias, Mateus e Keita. Suplentes: Marcelo, Mihelic, Rondon, João Aurélio, Oliver, Stojanovic e Elizeu.
0' Peiser (Académica) e Vladan (Nacional) são os primeiros a pisar o relvado. Os dois guarda-redes começaram o aquecimento.
0' No relvado apenas alguns jogadores do Nacional que devem ser suplentes, casos de Mihelic, Rondon, João Aurélio e Stojanovic.
0' Para já está um estádio deserto de público, mas ainda falta muito tempo para o começo da partida.
0' As primeiras notas de destaque vão para o facto de estar uma tarde com sol mas fria. Sem chuva até ver. O relvado, esse, aparenta estar em condições razoáveis.

0' Boa tarde. O Nacional recebe este domingo, a partir das 16 horas, a Académica, em mais um jogo da 19ª jornada da Liga. Fique por aí e comente as incidências da partida EM DIRECTO.

Árbitro

Rui Silva - nota 3 

Outros

Habib - viu na partida o 5º amarelo e falha jogo com Benfica.

Abdoulaye - expulso aos 81'm falha, pelo menos, jogo com Benfica. 

19 de fevereiro de 2012

2011/12 - 19J - Nacional - Académica: Antevisão

O momento
NACIONAL: Pedro Caixinha substituiu Ivo Veira com o propósito de levar o Nacional a um lugar europeu. Afastado da Taça da Liga e da Taça de Portugal, os madeirenses estão também a uma distância considerável do lugar que dá acesso à Liga Europa. A «era Caixinha» não tem sido famosa: em nove jogos soma até menos um ponto que Ivo Vieira. Um resultado que não a vitória, atrasa cada vez mais os madeirenses, que em vez de se olharem para cima, terão de começar a ter cuidado para não olharem para os últimos lugares da tabela classificativa.

ACADÉMICA: Uma derrota caseira frente ao Gil Vicente (0-2) trouxe a equipa de novo à terra após a qualificação para a final da Taça de Portugal. Os estudantes são nonos classificados com vinte pontos, mais um que o Nacional. É fora de portas que a Académica vem somando pontos nas últimas rondas da Liga. Já não perde fora desde 5 de Novembro, curiosamente, na Madeira, frente ao Marítimo. Nos restantes embates, venceu em Olhão e empatou em Vila do Conde e em Setúbal. Necessitando de pontos para carimbar a manutenção, a Académica tem aqui mais uma boa oportunidade.

Principais ausentes:
NACIONAL: Diego Barcellos (castigado), Edgar Costa, Moreno e Andrés Madrid todos lesionados.

ACADÉMICA: Diogo Gomes, Orlando e Willias Araújo, todos por lesão e Éder que treina à parte do plantel.

Discurso directo:
Pedro Caixinha: «Acho que vai ser um jogo interessante. São duas equipas que têm princípios muito semelhantes, gostam de ter a iniciativa e ter bola. Temos um conhecimento profundo da Académica, mas neste momento é a nossa equipa que nos interessa e a nossa vontade de mandar em nossa casa e querer ganhar. O estádio da Madeira é a nossa fortaleza. Cada jogo vale três pontos e eles são ouro para nós.»

Pedro Emanuel: «Os jogadores sentiram, naturalmente, a derrota em casa com o Gil Vicente porque vinham de momentos de grande euforia mas o futebol é um jogo de emoções. Foi importante para nos trazer à terra e de volta ao nosso objectivo principal, que é a manutenção. Os próximos jogos são finais para nós, porque queremos atingir o nosso objectivo o mais rapidamente possível. Isso passa por conseguirmos vitória.»

Histórico de confrontos:
A vantagem pertence ao Nacional: em nove jogos disputados na Choupana, os alvinegros venceram seis, empataram dois e perderam um, com um total de 21-14 em golos. Os estudantes só conseguiram uma vitória no Estádio da Madeira, foi em 2007/08 e logo por 3-0, com golos de Cris (2) e Edgar Silva. Curiosamente, a turma de Coimbra era orientada por Domingos Paciência.

EQUIPAS PROVÁVEIS:
NACIONAL: Vladan, Claudemir, Neto, Danielson e Marçal; Todorovic, Mihelic e Skolnik; Candeias, Mateus e Rondon.

Outros convocados: Marcelo, Stojanovic, Elizeu, Juliano, João Aurélio, Oliver e Keita

ACADÉMICA: Peiser; Cédric, Pape Sow, Abdoulaye e Hélder Cabral; Diogo Melo, Andrien e Danilo; Marinho, Edinho e Diogo Valente

Outros convocados: Ricardo, Magique, Saulo, David Simão, Hugo Morais, Flávio e Fábio Luís.

2011/12 - 19J - Nacional - Académica: Convocados: Saulo estreia-se na lista

A estreia do extremo Saulo (ex-Rio Ave), último reforço de Inverno da Académica, é o principal destaque da lista de convocados elaborada por Pedro Emanuel para o jogo deste domingo, na Choupana, frente ao Nacional.

Em contrapartida, Rui Miguel sai dos convocados, constituindo esta a única alteração em relação ao lote escolhido há uma semana, para o jogo com o Gil Vicente.

Desta forma, continuam de fora, por opção, Fábio Santos, João Dias, Reiner Ferreira, Mvom e Nivaldo, ao passo que Diogo Gomes, Orlando, e Willian Araújo mantêm-se em recuperação.

João Real ainda procura elevar os índices físicos, enquanto Éder, como é sabido, está suspenso pela Direcção e, actualmente, até está em tratamento no departamento clínico dos estudantes.

Lista de convocados:

Guarda-redes: Peiser e Ricardo;
Defesas: Cédric, Abdoulaye e Hélder Cabral;
Médios: Habib, Flávio, Diogo Melo, Adrien, Hugo Morais, David Simão e Danilo;
Avançados: Marinho, Saulo, Fábio Luís, Edinho, Magique e Diogo Valente.

17 de fevereiro de 2012

«Não vamos à Madeira jogar fechados, para o pontinho» - Pedro Emanuel

Sempre com os três pontos no horizonte. Assim se define a ideia de Pedro Emanuel que, na conferência de Imprensa de antevisão do jogo do próximo domingo frente ao Nacional, voltou a referir que a sua equipa se mantém fiel aos seus princípios e, como tal, vai à Madeira para vencer.

Respeita o conjunto liderado por Pedro Caixinha, mas diz que a Académica vai em busca de uma vitória que já lhe foge há seis jornadas.

O treinador dos estudantes diz que a derrota frente ao Gil Vicente até pode ter sido importante para que os jogadores tenham os pés bem assentes no chão, depois do apuramento para a final da Taça de Portugal. Sobre arbitragens, prefere deixar a questão para quem de direito.

- Os últimos resultados não têm sido positivos. Está preocupado?

- Estamos perfeitamente conscientes do que têm sido os nossos últimos resultados para a Liga e logicamente que todos estes jogos daqui para a frente serão verdadeiras finais. Queremos atingir o nosso objetivo o mais rapidamente possível. Fora de casa temos vindo a acumular bons resultados e isso dá-nos confiança e motivação.

- Qual é a receita para vencer o Nacional?

- Termos uma equipa competitiva e compenetrada na estratégia que vamos adoptar. Vamos encontrar um adversário que respeitamos, bem organizado, que tem princípios de jogo bem definidos, e nós, estando atento a esses pontos fortes do Nacional, temos que colocar em prática a nossa mais-valia.

- A equipa tem-se dado bem nos jogos fora de casa onde já não perde há mais de dois meses...

- Sim, temo-nos dado bem nos jogos fora de casa, até porque em casa arriscamos um pouco mais, pois queremos assumir o jogo. Não vamos há Madeira para jogar fechados, para o ponto. Temos os nossos trunfos e vamos encarar o jogo olhos nos olhos. Temos um passado recente nos jogos fora de casa com resultados positivos.

- O grupo ficou afetado com a derrota com o Gil Vicente ou continua com a mesma alegria no trabalho diário?

- Naturalmente que os jogadores sentiram a derrota com o Gil Vicente, foi um jogo que não nos correu de feição. Vínhamos de momentos felizes, com a passagem à final da Taça de Portugal, mas o futebol é um jogo de emoções. Também foi importante para nos trazer à terra e para nos focarmos no objetivo principal que é a manutenção.

- O presidente disse ontem que algumas arbitragens não têm sido favoráveis à Académica. Qual é a sua opinião?

- Vocês sabem que eu não gosto de falar de arbitragens. Eu avalio a performance da minha equipa em cada jogo. Os árbitros fazem parte do espetáculo e se cada uma das partes fizer o seu trabalho bem feito, não haverá razões de queixa. Julgo que essas questões têm que ser avaliadas por quem de direito.